Bullard: Fed deveria cortar estímulo neste ano “de forma relativamente rápida” para encerrá-lo no começo de 2022

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) – O Federal Reserve deveria começar a reduzir suas compras mensais de 120 bilhões de dólares em títulos neste outono (no Hemisfério Norte) e cortá-las “de forma relativamente rápida” de modo que o programa se encerre nos primeiros meses de 2022 e abra caminho para um aumento de juros no ano que vem, se necessário, disse o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, nesta sexta-feira.

Num alerta de que seus colegas do Fed estão impondo a si mesmos riscos de precisarem subir os juros de forma atabalhoada –possivelmente provocando uma recessão– se a inflação continuar alta, Bullard disse que é hora de começar a contabilizar essa probabilidade.

“Estamos inclinados demais para o lado ‘dovish'”, disse Bullard em comentários a repórteres, fazendo um apelo para que o Fed decida em sua reunião de setembro um plano para encerrar gradualmente suas compras de títulos até o fim de março de 2022.

“Toda a comunidade dos bancos centrais está no modo ‘dovish’ há muito tempo. Se os dados se voltarem contra nós, talvez tenhamos que agir rapidamente, e isso pode ser prejudicial.”

Bullard foi a primeira autoridade regional do Fed a falar publicamente após a reunião do banco central desta semana, em que os formuladores de política monetária disseram esperar que a recuperação econômica continue, apesar de um salto nas infecções por coronavírus.

Embora o chair do Fed, Jerome Powell, tenha dito que a recuperação do mercado de trabalho, em particular, ainda está distante do ponto em que um “aperto” das compras de títulos seria apropriado, Bullard disse que vê os mercados de trabalho se recuperando rapidamente e questionou a lógica de o Fed continuar a estimular a economia com suas compras em meio a um rápido crescimento econômico e uma “bolha imobiliária nascente”.

O argumento de Bullard representa um lado de um debate no banco central norte-americano sobre como encarar a inflação, que surpreendeu com seu ritmo e persistência, e quanto apoio dar à economia para que recupere os milhões de empregos perdidos em comparação aos patamares pré-pandemia.

Analistas do mercado esperam que uma redução gradual das compras de títulos pelo Fed comece no fim deste ano ou no início de 2022, em parte como preparação para um eventual aumento de juros.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6T167-VIEWIMAGE

Presidente de Israel Recebe 3ª Dose de Vacina e Defende Reforço a Pessoas com Mais de 60 Anos

Por Stephen Farrell

Herzog, 60, recebeu a dose de reforço da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 no Centro Médico Sheba, em Ramat Gan, perto de Tel Aviv.

Ele afirmou que estava orgulhoso por lançar a iniciativa de reforço de vacinação “que é tão vital para permitir circunstância normais da vida o máximo possível nesta pandemia muito desafiadora”. A esposa de Herzog, Michal, também recebeu a dose.

O casal foi acompanhado pelo primeiro-ministro, Naftali Bennett, que enfatizou a importância da dose de reforço na luta contra a pandemia de Covid-19 e prometeu que Israel compartilhará as informações que recolher da campanha de imunização pública.

Na véspera da campanha de reforço, Bennett disse que Israel já havia dado a 2.000 pessoas imunossuprimidas a terceira dose sem efeitos colaterais graves.

Israel é um dos líderes mundiais na campanha de vacinação, e cerca de 57% da sua população com 9,3 milhões de pessoas foi vacinada com as duas doses. Essa taxa cresce para 87% entre pessoas com mais de 60 anos e 90% para os acima de 70.

Mas desde o surgimento da variante Delta, o Ministério da Saúde relatou duas vezes uma queda na eficácia da vacina contra infecções e uma pequena oscilação para baixo na proteção contra doenças graves.

O número diário de novas infecções subiu para mais de 2.000, em comparação a apenas um punhado de casos alguns meses atrás, e cerca de 160 pessoas estão atualmente internadas com sintomas graves. Mais de 6.400 pessoas morreram por causa do vírus.

(Reportagem de Stephen Farrell; Editing by Catherine Evans)

Dólar supera R$5,15 com força da moeda no exterior em dia de Ptax de fim de mês

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar acelerou a alta no fim da manhã desta sexta-feira, chegando a superar a marca de 5,15 reais, em meio à força da moeda norte-americana no exterior e pouco antes da definição da Ptax de fim de mês.

Às 12:42, o dólar à vista avançava 1,34%, a 5,1475 reais na venda. Na máxima do pregão, a moeda norte-americana saltou 1,53%, a 5,1570 reais na venda.

Na mínima, tocada ainda na abertura, a moeda teve variação negativa de 0,06%, a 5,0765 reais.

Lá fora, o índice do dólar, que até 11h estava em torno da estabilidade, subia 0,26%, tomando distância da mínima em um mês atingida na véspera.

Dados desta sexta-feira mostraram que os gastos do consumidor dos Estados Unidos subiram mais do que o esperado em junho, enquanto a inflação anual superou ainda mais a meta de 2% do Federal Reserve.

Recentemente, a possibilidade de preços persistentemente mais altos na maior economia do mundo tem preocupado investidores, em meio ao receio de que a inflação force o Fed a apertar sua política monetária mais cedo do que o esperado.

Na quarta-feira, o chair do Fed, Jerome Powell, conseguiu acalmar boa parte desses medos, dizendo que a alta dos juros segue distante e que o mercado de trabalho ainda tem “algum terreno a recuperar”.

Nesta sexta, no entanto, o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse que o banco central deveria começar a reduzir suas compras mensais de títulos já neste ano, abrindo caminho para um aumento de juros em 2022, se necessário.

Enquanto isso, no mercado local, vários analistas chamavam a atenção para a “briga” antes da definição da Ptax de fim de mês, com as posições compradas se destacando. A Ptax é uma taxa de câmbio calculada pelo BC, que serve de referência para liquidação de derivativos. No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes a suas posições.

COPOM NO RADAR

Na semana que vem, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil se encontra para decidir o novo patamar da taxa Selic. Alguns agentes do mercado esperam elevação de 0,75 ponto percentual nos juros básicos, enquanto outros apostam em alta de 1 ponto.

A elevação, se confirmada, tem potencial para pressionar a moeda norte-americana, somando-se ao posicionamento “dovish” do Federal Reserve em seu último encontro.

“Como o Fed não sinalizou uma desestimulação da economia, os investidores começam a voltar seus olhos para moedas de países emergentes”, explicou à Reuters Lucas Schroeder, diretor de operações da Câmbio Curitiba. “Como o movimento interno é o oposto, de aumento da Selic, isso pode estimular a entrada de recursos.”

No entanto, alertou Schroeder, os aspectos promissores para o real são compensados por um cenário político doméstico incerto, bem como pela disseminação da Covid-19. Recentemente, a cepa Delta do coronavírus, altamente contagiosa, tem preocupado investidores internacionais.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6T0WO-VIEWIMAGE

Bruno Schmidt e Evandro Vencem Dupla Polonesa e Vão às Oitavas do Vôlei de Praia

Com a vitória, a dupla brasileira manteve 100% de aproveitamento na competição após três partidas.

“Nós perdemos o primeiro set mas voltamos fortes. Isso é importante nos Jogos Olímpicos. Fico feliz que tivemos esse desafio e conseguimos”, disse Bruno Schmidt, campeão olímpico na Rio 2016 ao lado de Alison, de acordo com nota no site Time Brasil.

A parceria relembrou os momentos difíceis neste ano, quando Bruno enfrentou um quadro grave de Covid-19 e, muito debilitado, não sabia se chegaria aos Jogos Olímpicos em condições competitivas.

“Passei o pior momento da minha vida em fevereiro e março. Covid não escolhe ninguém, e eu sou prova disso. Quando saí do hospital tinha quatro meses para voltar a ser um atleta. Ninguém sai de uma situação de acamado para jogar um torneio de vôlei de praia. Eu falei para a equipe que precisava dar passos atrás para ser competitivo. Não foi fácil”, declarou Bruno.

O torneio olímpico de vôlei de praia continua no sábado com Ana Patrícia e Rebecca contra Claes e Sponcil, dos EUA. As oitavas de final começam no domingo.

(Redação São Paulo)

Dívida Bruta cai a 84% do PIB em Junho, Menor Patamar em um Ano

Foi o quarto mês consecutivo de recuo do indicador. Em maio, a dívida bruta estava em 84,6%.

A dívida líquida do país como proporção do PIB, por outro lado, aumentou 1,1 ponto percentual em junho, somando 60,9%. Nesse caso, a valorização do real frente ao dólar contribui para aumentar a relação porque reduz o valor em reais das reservas internacionais.

O recuo da dívida bruta se deu a despeito de o setor público consolidado brasileiro ter registrado déficit primário no mês, de 65,508 bilhões de reais, com o rombo em 12 meses passando a 3,81% do Produto Interno Bruto (PIB).

Pesquisa da Reuters apontava que a expectativa era de um saldo negativo menor, de 60,0 bilhões de reais para o mês.

No mês, o governo central registrou déficit primário de 75,083 bilhões de reais, enquanto os governos regionais e as empresas estatais apresentaram superávits respectivamente de 8,391 bilhões de reais e 1,183 bilhão de reais.

Considerando também as despesas com juros, o déficit do setor público atingiu 75,595 bilhões de reais em junho, ante um déficit nominal de 210,161 bilhões de reais no mesmo mês de 2020, quando as despesas do governo com medidas de enfrentamento à pandemia foram muito mais elevadas.

O aumento do PIB nominal que está por trás do recuo da dívida este ano reflete tanto a retomada da atividade como o aumento da inflação embutida no cálculo do dado estimado para o PIB. O BC já alertou que o país só consolidará uma tendência de longo prazo de redução do endividamento a partir do equilíbrio das contas públicas.

 

 

(Por Isabel Versiani)

Homem de Hong Kong é Sentenciado a 9 Anos de Prisão em Primeiro Caso de Segurança Nacional

Por James Pomfret e Sara Cheng

O ex-garçom Tong Ying-kit, 24, foi acusado de avançar a sua moto contra três policiais ano passado enquanto carregava uma bandeira com o slogan “Liberte Hong Kong. Revolução dos nossos tempos”.

O advogado de Tong, Clive Grossman, disse a repórteres no lado de fora do tribunal que a defesa apelaria tanto do veredito quanto da sentença. Ele não fez mais comentários.

Tong não depôs durante o julgamento.

Após a sentença, no entanto, ele pediu aos habitantes de Hong Kong que continuem perseverando, como os pioneiros medalhistas de ouro e prata dos Jogos Olímpicos, Cheung Ka-long e Siobhan Haughey.

“Aguentem firme, assim como os atletas de Hong Kong”, disse Tong, segundo outro advogado de defesa, Lawrence Lau.

Os juízes Esther Toh, Anthea Pang e Wilson Chan –escolhidos pela líder da cidade Carrie Lam para tratarem de casos de segurança nacional– decidiram na terça-feira que o slogan era “capaz de incitar outras pessoas a cometerem secessão”.

Na sexta-feira, os juízes sentenciaram Tong a 6,5 anos de prisão por incitar secessão e 8 anos por atividades terroristas. Desses, 2,5 anos serão computados consecutivamente, resultando em uma sentença total de 9 anos.

Grupos de direitos humanos criticaram a condenação de Tong, dizendo que ela impõe novos limites à liberdade de expressão, assim como precedentes estabelecidos pelo julgamento que, segundo eles, contrastam com as tradições do sistema jurídico de Hong Kong.

Confiança do Consumidor dos EUA Cai em Julho

O Índice de Sentimento do Consumidor da Universidade de Michigan caiu para uma leitura final de 81,2, ante patamar final de 85,5 em junho, embora tenha ficado acima da leitura preliminar de julho, de 80,8, que também era a previsão para o dado final, conforme pesquisa da Reuters.

A leitura preliminar de julho foi o nível mais baixo em cinco meses, já que preocupações com a inflação afetaram a confiança dos consumidores na recuperação econômica.

(Por Evan Sully)

Governo Planeja Criar Vale-gás para Famílias de Baixa Renda

Por Lisandra Paraguassu

Não há ainda uma definição de valor, orçamento ou forma como o pagamento será feito, mas a intenção é atingir famílias de baixa renda, atendidas pelo programa Bolsa Família –que deve crescer das atuais 14 milhões de famílias beneficiadas para cerca de 17 milhões.

“É uma preocupação do presidente e ele quer uma alternativa por causa da alta no preço. Mas não está definido ainda o valor e nem se será incluído no Bolsa Família ou pago a parte, só que haverá”, disse uma das fontes.

O vale-gás –que remete a 2001 quando, também diante de alto no combustível o governo de Fernando Henrique Cardoso criou o benefício– deverá ser um bônus para subsidiar a compra de um botijão, mas não cobrirá todo o custo.

De acordo com uma segunda fonte, a intenção é que o programa seja temporário, como uma forma de aliviar o custo de vida das famílias mais pobres enquanto a melhora da economia não acontece.

Os reajustes constantes fizeram com que o gás de cozinha acumule 66% de aumento desde o início do governo de Jair Bolsonaro. No início do mês de julho, o último, de 5,9%, foi o 15º seguido.

Um botijão de gás de 13 quilos, hoje, custa entre 85 e 110 reais, em média, de acordo com pesquisa nas distribuidoras estaduais –um valor proibitivo em um país em que, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no três primeiros meses do ano, praticamente um terço das famílias vivia sem qualquer renda de trabalho e 26% tem renda familiar até 1.650 reais mensais.

Bolsonaro tem reclamado constantemente do valor do gás, mas atribuiu o aumento ao ICMS cobrado pelos Estados, e não aos constantes reajustes feitos pela Petrobras. “Eu zerei os impostos federais de gás de cozinha. Agora o ICMS tá alto… tá um abuso também, né? O pessoal acha que a culpa é minha. Paciência”, disse em uma conversa com apoiadores, onde o tema é recorrente.

Já mirando sua reeleição, o presidente se preocupa com o efeito do aumento dos preços no bolso das famílias e o mau humor da população com seu governo –detectado pelas pesquisas na alta da rejeição e no risco cada vez maior da derrota na eleições de 2022.

O vale-gás seria uma parte do pacote que o governo pretende apresentar em agosto com a reformulação dos programas sociais, com foco no aumento do valor médio do Bolsa Família e a inclusão de mais beneficiários.

“O presidente tem uma preocupação com a imagem do governo para 2022. Isso só vai melhorar se melhorar a situação econômica e com os programas sociais. Bolsa Família, vale-gás, entram nesse pacote aí”, disse uma fonte parlamentar.

As pesquisas mais recentes mostram que a rejeição ao presidente continua a crescer. O último levantamento do Datafolha aponta que 51% da população considera o governo Bolsonaro ruim ou péssimo.

A mesma sondagem mostrou ainda que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceria Bolsonaro por 58% a 31% em um eventual segundo turno.

Criado em 2004, no primeiro mandato do petista, o Bolsa Família ainda é extremamente associado com o ex-presidente, o que levou o governo até mesmo a tentar mudar o nome do programa para Renda Cidadã, o que ainda não foi totalmente descartado.

O cálculo feito pela equipe econômica é de que seria possível um reajuste de 50% no valor médio do Bolsa Família, levando a média paga às famílias dos atuais 192 reais para pouco mais de 285 reais –o benefício varia de acordo com tamanho da família, idades dos filhos e outras condicionantes.

Bolsonaro, no entanto, tem repetido que quer um valor médio de 300 reais, valor ao qual a equipe econômica ainda não conseguiu chegar sem o risco de furar o valor do teto de gastos.

O governo conta com o aumento de arrecadação deste ano –cerca de 30 bilhões que não estavam na conta– para custear o novo Bolsa Família. O programa, nas contas feitas até agora, precisaria de 18 bilhões a mais no orçamento para um reajuste de 50% no valor médio.

O governo aposta no aumento do valor do programa, que começaria a ser pago em dezembro, para tentar reverter a queda na popularidade de Bolsonaro e aumentar as chances de vitória em 2022 –especialmente no Nordeste, onde o programa tem mais beneficiários e o presidente, sua maior rejeição.

BOLSA EUA-S&P 500 e Nasdaq Recuam Após Resultado Decepcionante da Amazon

Por Sagarika Jaisinghani

A Amazon.com despencava 7,1%, caminhando para registrar seu pior pregão desde março de 2020 após a empresa dizer que o crescimento das vendas desacelerará nos próximos trimestres à medida que os clientes saem mais de casa.

As ações de outras gigantes da tecnologia, como Apple, Alphabet e Facebook, que se beneficiaram no ano passado da estadia das pessoas em casa em meio a restrições da Covid-19, caíam entre 0,6% e 1,8% nesta sexta.

“As expectativas estavam bastante altas para os balanços corporativos e a razão pela qual estamos vendo algumas das ações caírem, apesar dos resultados positivos, é que as pessoas esperam um crescimento exponencial, que, para ser honesto, é demais para se esperar”, disse Randy Frederick, diretor-administrativo de operações e derivativos da Charles Schwab.

As esperanças de uma recuperação pós-pandemia estável na economia norte-americana elevaram os principais índices de Wall Street a máximas recordes e deixavam o S&P 500 em curso de apresentar seu sexto ganho mensal consecutivo, mas a rápida disseminação da variante Delta do coronavírus e o aumento da inflação têm limitado o sentimento.

Dados desta sexta-feira mostraram que os gastos do consumidor dos EUA aumentaram mais do que o esperado em junho, mas parte do salto refletiu preços mais altos, com a inflação anual superando ainda mais a meta de 2% do Federal Reserve.

Mais cedo nesta semana, o Federal Reserve reiterou sua visão de que a inflação mais alta será transitória.

Às 11:34 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,29%, a 34.983 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,330833%, a 4.405 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,53%, a 14.700 pontos.

Órgão Regulador da China diz que Manterá Esforços para Expandir Acesso de Investidores Estrangeiros

Os investidores têm se assustado este ano com uma série de medidas regulatórias, muitas vezes repentinas, que alteraram as normas para empresas dos setores de tecnologia, propriedade e aulas particulares da China.

A Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC, na sigla em inglês) disse que implementará totalmente as medidas planejadas destinadas a garantir que os investidores estrangeiros sejam tratados de forma não menos favorável do que seus pares chineses e que cortará o número de setores em que o investimento estrangeiro é proibido ou limitado.

Após um tombo do mercado esta semana, a China intensificou as tentativas de acalmar os nervos dos investidores, dizendo às corretoras estrangeiras para não “interpretarem exageradamente” suas últimas medidas regulatórias.