Ibovespa encerra em alta e fecha melhor mês desde 2020

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) – O principal índice da bolsa brasileira subiu nesta segunda-feira, ainda que com desempenho mais tímido do que as bolsas em Wall Street, e fechou seu melhor mês em mais de um ano.

O mercado teve o suporte de ações do setor financeiro e ligadas ao consumo interno, enquanto a Vale pesou do lado oposto.

O Ibovespa subiu 0,21%, a 112.143,51 pontos. Com isso, o índice acumulou em janeiro valorização de 6,98%, a maior para um mês desde dezembro de 2020, quando marcou ganhos de 9,3%. O volume financeiro da sessão foi de 30,9 bilhões de reais.

Em dólar, a bolsa brasileira subiu 12,4% no período. Para efeito de comparação, os principais índices norte-americanos fecharam o mês em queda, com o Nasdaq caindo 9%.

Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama, destacou a entrada de investidor estrangeiro na bolsa como um dos fatores que levaram à performance positiva em janeiro.

“Não é que o Brasil virou a última bolacha do pacote, é que (a bolsa) realmente estava com múltiplo muito descontado”, afirma ele, que ainda vê espaço para ganhos.

Segundo analistas, houve uma forte migração de investimentos em ações de crescimento, como aquelas do setor de tecnologia, para papéis de valor, como de bancos, em meio ao cenário de alta de juros nos Estados Unidos nos próximos meses. O setor financeiro, por exemplo, congrega algumas da maiores altas do Ibovespa no mês.

A sessão desta segunda-feira foi de recuperação no exterior, com o mercado aguardando reuniões de política monetária na zona do euro e na Inglaterra, além de dados econômicos nos EUA nesta semana.

No Brasil, dados negativos divulgados mais cedo fizeram contraponto ao otimismo no mercado de capitais. O país fechou mais vagas formais de trabalho em dezembro do que o esperado pelo mercado, o setor público consolidado brasileiro registrou um superávit primário muito abaixo da estimativa de analistas e a pesquisa Focus do Banco Central mostrou elevação nas projeções de inflação para 2022 e 2023.

A agenda doméstica é agitada para os próximos dias, com decisão de política monetária, volta dos trabalhos no Congresso Nacional, início da temporada de divulgação de balanços do quarto trimestre de 2021 e novos indicadores econômicos.

DESTAQUES DO MÊS

– B3 ON subiu 31,8% em janeiro, a maior alta do Ibovespa. Isso em um mês sem grandes novidades para a empresa. A explicação do desempenho, segundo especialistas do mercado, parece ser a migração de investidores para ações de valor, já que outras duas empresas do setor financeiro também estão entre os principais avanços no período: ITAÚ UNIBANCO PN, que subiu 21% (3ª maior alta), e BRADESCO PN, que avançou 18,8% (5ª maior alta). O setor também se destacou na sessão desta segunda-feira.

– HAPVIDA ON foi a segunda ação de melhor desempenho no mês, alta de 22%. A ação foi beneficiada pelo avanço da incorporação da rival INTERMÉDICA ON, que por sua vez, também teve desempenho positivo, com alta de 18% no mês. O fechamento da operação deve ocorrer em fevereiro.

– LOCAWEB ON caiu 26,3% no mês, a maior queda entre as empresas do Ibovespa, simbolizando o impacto que muitas empresas ligadas ao setor de tecnologia sentiram com a perspectiva de aumento de juros nos EUA e o clima de aversão ao risco.

– ALPARGATAS cedeu 21,1% no mês, segunda maior queda do Ibovespa. Além dos fatores macroeconômicos, a ação vem em desempenho negativo desde que anunciou a aquisição de participação na Rothy’s, em dezembro, um negócio que gerou debate no mercado sobre o valor da compra.

DESTAQUES DA SESSÃO

– AZUL PN avançou 8%, GOL PN subiu 7,5%, e CVC ON teve alta de 5,9%.

– MAGAZINE LUIZA ON avançou 4,3, VIA ON subiu 3,3% e AMERICANAS ON teve alta de 1%.

– VALE ON caiu 3,3%, maior queda diária desde meados de novembro. CSN MINERAÇÃO ON cedeu 2,4%. A CSN retornou a barragem da mina de Fernandinho, em Minas Gerais, à nível zero de emergência, e disse que a produção de minério de ferro está sendo gradualmente restabelecida.

– PETROBRAS PN caiu 0,6% e ON recuou 1,7%, apesar da alta do preço do petróleo, que fechou janeiro com maiores ganhos desde fevereiro de 2021.

– BRF ON caiu 2,3%. O conselho da MARFRIG, cujas ações ordinárias recuaram 0,4%, aprovou na sexta-feira a participação da companhia no follow-on da BRF, com autorização para “subscrever até o limite de sua participação societária no capital social da BRF”. A oferta será precificada na terça-feira.

– OI ON, que não está no Ibovespa, subiu 2,9%, após a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovar a venda de ativos de telefonia móvel da companhia para as rivais TIM, Claro e Telefônica Brasil. Papéis de TIM subiram 2,2% e de Telefônica Brasil avançaram 1,7%.

Alta de juro em março está a caminho, mas movimentos futuros dependem dos dados, dizem autoridades do Fed

Por Jonnelle Marte e Howard Schneider e Ann Saphir

(Reuters) – Os formuladores de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) estão determinados a aumentar a taxa de juros em março, mas falaram com cautela nesta segunda-feira sobre o que pode acontecer, sinal de que esse ciclo de alta dos juros pode não vir com o mesmo tipo de orientação que os mercados esperam.

Várias autoridades do Fed disseram ser claramente hora de o banco central começar a remover o apoio a uma economia marcada por forte crescimento e inflação em máxima em quatro décadas, mas afirmaram que o ritmo exato e o momento desses movimentos dependeriam do que acontece com a inflação e a economia mais ampla.

“Definitivamente, estamos prontos para uma alta em março”, disse a presidente do Fed de San Francisco, Mary Daly, à Reuters, em breve entrevista por telefone. “Mas depois disso, quero ver o que os dados nos trazem… vamos passar pela Ômicron, analisaremos isso e veremos.”

Os formuladores de política monetária também devem começar a encolher a carteira de quase 9 trilhões de dólares do banco central ainda neste ano, um balanço patrimonial que dobrou de tamanho quando o Fed comprou Treasuries e títulos lastreados em hipotecas para fortalecer os mercados e a economia.

Alguns economistas dizem que o crescimento econômico dos Estados Unidos pode desacelerar no início deste ano –depois de cravar no ano passado seu ritmo anual mais rápido desde 1984–, conforme o apoio fiscal diminui e um aumento nas infecções causadas pela variante Ômicron da Covid-19 leva a interrupções prolongadas.

“Vamos precisar pensar com muito cuidado sobre como as coisas estão indo, como a economia responde aos nossos primeiros movimentos”, afirmou o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, ao Yahoo Finance. “Não estamos fixados em nenhuma trajetória específica. Os dados nos dirão o que está acontecendo.”

Esses relatórios econômicos podem mostrar resultados mistos. Dados monitorados pelo Fed revelaram que as expectativas de inflação permaneceram amplamente ancoradas até o fim do ano passado, enquanto algumas das pressões mais intensas sobre os preços podem ter começado a diminuir.

No entanto, a recuperação do mercado de trabalho pode estar perdendo fôlego após o aumento das infecções por coronavírus. Economistas consultados pela Reuters esperam geração líquida de 153 mil empregos em janeiro, menor número em um ano, e cerca de 10% dos entrevistados acham que a economia perdeu vagas ao longo do mês.

A presidente do Fed de Kansas City, Esther George, disse que a incerteza causada pelo vírus dificulta para as autoridades do banco central fornecer o mesmo tipo de orientação que deram no passado.

“Não é do interesse de ninguém tentar neutralizar a economia com ajustes inesperados”, afirmou George durante evento organizado pelo Clube Econômico de Indiana. “Eu acho que o Fed terá que agir deliberadamente em suas decisões para começar a retirar as acomodações.”

Ibovespa encerra em alta e fecha melhor mês desde 2020

SÃO PAULO (Reuters) – O principal índice da bolsa brasileira subiu nesta segunda-feira, ainda que com desempenho mais tímido do que as bolsas em Wall Street, e fechou seu melhor mês em mais de um ano. O índice local teve o suporte de ações do setor financeiro e ligadas ao consumo interno, enquanto a Vale pesou do lado oposto.

De acordo com dados preliminares, o Ibovespa subiu 0,53%, a 112.505,53 pontos. Com isso, o índice acumulou em janeiro valorização de 7,33%, a maior para um mês desde dezembro de 2020, quando marcou ganhos de 9,3%. O volume financeiro da sessão foi de 25,1 bilhões de reais.

(Por Andre Romani)

Dólar cai 4,8% em janeiro e real é vice-líder no mundo; fevereiro começa com atenção a BCs e emprego nos EUA

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar terminou janeiro no ritmo que embalou boa parte do mês, mostrando forte queda, para uma mínima em mais de quatro meses, e quebrando importante suporte técnico, num dia amplamente favorável a moedas e outros ativos de risco após uma sequência de turbulentas semanas nas praças financeiras globais.

Por aqui, os números fiscais de dezembro decepcionaram, mas de toda forma o país terminou 2021 com o primeiro superávit primário em oito anos, com as medidas de dívida vindo melhores do que as expectativas do mercado. E fevereiro começa com atenção a decisões de política monetária (inclusive no Brasil) e a dados do mercado de trabalho norte-americano.

O dólar à vista fechou esta segunda-feira em baixa de 1,59%, a 5,3059 reais. É o menor valor desde 22 de setembro do ano passado (5,3033 reais). Na mínima intradiária, a cotação chegou a descer para 5,2848 reais (-1,98%).

O declínio percentual diário foi o mais forte desde o último dia 19 (-1,68%), o que afundou o dólar abaixo de sua média móvel linear de 200 dias pela primeira vez desde setembro do ano passado.

O real figurou entre os melhores desempenhos nos mercados globais de câmbio neste pregão.

No acumulado de janeiro, o dólar recuou 4,80%. É a maior desvalorização mensal desde novembro de 2020 (-6,82%) e a mais expressiva para meses de janeiro desde 2019 (-5,57%).

A moeda brasileira também foi destaque na performance mensal. Com ganho de 5,04%, o real só ficou atrás do peso chileno (+6,4%) na seleta lista de divisas que conseguiram começar o ano vencendo o dólar. De 33 importantes pares, o dólar só perdeu valor em janeiro contra dez.

Nesta segunda, o comportamento da taxa de câmbio se manteve alinhado com os rumos do dólar no exterior. O índice do dólar frente a uma cesta de divisas de países ricos acelerou as perdas para 0,6% no fim da tarde, nas mínimas da sessão. Divisas emergentes dominavam a lista de ganhadores do dia, com lira turca (+1,9%) e florim húngaro (+1,8%), além do real, na dianteira.

Em Nova York, as bolsas de valores tentavam se manter em alta, o que favorecia a tomada de risco em outras partes do mundo, movimento que beneficia moedas emergentes, caso do real.

Janeiro foi marcado por turbulência em várias classes de ativos, mas a de moedas emergentes resistiu, com analistas comentando que investidores deixaram posições em mercados ricos e apostaram em ativos de praças vistas como descontadas –com o Brasil despontando entre as preferências.

O economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), Robin Brooks, disse no Twitter que os mercados emergentes conseguiram passar bem pela tremedeira de janeiro porque, de toda forma, as taxas de juros de longo prazo nos EUA seguem em patamares baixos.

“Os juros de curto prazo nos EUA não importam para os mercados emergentes”, disse. As taxas de curto prazo –mais correlatas a expectativas de mudanças de juros nos EUA– dispararam em janeiro, indicando elevações de juros pelo Fed ao longo de 2022.

Sobre o real, ele disse que o grande fluxo negativo de investidores locais em 2021 aparentemente acabou. Com isso, o IIF mantém estimativa de taxa “justa” de 4,50 reais por dólar. “Coisas boas no balanço de pagamentos estão acontecendo para sustentar isso, incluindo um déficit em conta corrente menor do que o pré-Covid e os primeiros sinais de que os fluxos de portfólio estão voltando”, afirmou.

Mais no curto prazo, a apreciação recente do real já coloca a moeda brasileira em patamares que podem chamar compras de dólar. “Apesar dos comentários de que o real pode se fortalecer até 5,05 por dólar, não acreditamos. Achamos que a grande correção já foi”, comentou Alfredo Menezes, gestor na Armor Capital.

EUA desaconselham viagens a Brasil, México e Cingapura por Covid-19

WASHINGTON (Reuters) – O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos desaconselhou nesta segunda-feira viagens para uma dúzia de destinos, incluindo Brasil, México, Cingapura, Equador, Kosovo, Filipinas e Paraguai.

O CDC agora lista quase 130 países e territórios com casos de Covid-19 em “Nível quatro: muito alto”. Também acrescentou Anguilla, Guiana Francesa, Moldávia e São Vicente e Granadinas nesta segunda-feira ao seu nível mais alto.

(Reportagem de David Shepardson)

Universidades e faculdades historicamente negras dos EUA recebem ameaças de bomba

(Reuters) – Várias universidades e faculdades historicamente negras nos Estados Unidos receberam ameaças de bomba nesta segunda-feira, forçando as instituições a emitirem ordens de abrigo no local enquanto cancelavam as aulas e operações do dia.

Albany State University, na Geórgia, Delaware State University, em Delaware, Southern University e A&M College, em Louisiana, Howard University, em Washington, Bowie State University, em Maryland e Bethune-Cookman University, na Flórida, estão entre as instituições norte-americanas ameaçadas.

“Devido a uma emergência no campus, as aulas acontecerão virtualmente. As pessoas no campus devem se abrigar no local até novo aviso”, disse a Bowie State University em mensagem no site da universidade.

A Delaware State University pediu a funcionários e estudantes que não fossem ao campus até novo aviso. “Instruímos nossa população residencial a permanecer no dormitório enquanto uma busca no campus está ocorrendo, e isso está em andamento neste momento”, disse um porta-voz da universidade.

Essa foi a segunda vez neste mês que instituições de ensino superior historicamente negras enfrentaram ameaças de bomba.

(Reportagem de Brendan O’Brien, Kanishka Singh, Barbara Goldberg e Sarah N. Lynch)

Porto do Açu recebe autorização para construir e operar ferrovia no RJ em investimento de R$610 mi

SÃO PAULO (Reuters) – O Ministério da Infraestrutura informou nesta segunda-feira que o Porto do Açu é a primeira empresa a receber autorização federal para construir e administrar uma ferrovia no Estado do Rio de Janeiro.

O investimento previsto no projeto de 41 quilômetros de extensão em São João da Barra (RJ) é de 610 milhões de reais e será voltado ao transporte anual de 50 milhões de toneladas de carga em direção ao porto, informou o ministério em comunicado à imprensa.

O governo federal até agora aprovou 22 projetos de autorizações para construções de ferrovias, em um total de investimentos projetados de cerca de 102,9 bilhões de reais envolvendo quase 7 mil quilômetros. Os projetos foram feitos por 13 empresas, segundo a pasta.

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição de André Romani)

Vodafone se une à Intel para desenvolver sua própria arquitetura de chips de rede

Por Paul Sandle

MALAGA, Espanha (Reuters) – A Vodafone juntou-se à Intel e outros fornecedoras de microprocessadores para projetar sua própria arquitetura de chips voltada à nascente tecnologia de rede OpenRAN, com o objetivo de enfraquecer o domínio dos fornecedores tradicionais de equipamentos de telecomunicações.

O OpenRAN permite que as operadoras misturem e combinem fornecedores em suas infraestruturas, representando um desafio para empresas como Ericsson, Huawei e Nokia, que dominam o mercado global de equipamentos de telecomunicações com suas tecnologias proprietárias.

O desenvolvimento do OpenRAN ganhou maior destaque desde que alguns governos proibiram ou desencorajaram o uso da Huawei em redes nacionais.

A iniciativa da Vodafone também contribuirá para os esforços da União Europeia para reforçar sua indústria de chips e dobrar sua participação na produção global para 20% depois de perder terreno para fornecedores asiáticos e norte-americanos.

O diretor de arquitetura de rede da Vodafone, Santiago Tenorio, disse à Reuters que o OpenRAN permitirá que a operadora de telefonia móvel adicione rapidamente novos serviços digitais e otimize as redes usando inteligência artificial.

A Vodafone ativou o primeiro local 5G OpenRAN da Grã-Bretanha no início deste mês, iniciando uma implantação que totalizará 2.500 sites até 2027.

Cerca de 20 outros fornecedores se juntaram ao projeto, incluindo Qualcomm, Broadcom, ARM e Lime Microsystems, com metade do total vindo da Europa, disse a empresa.

Dólar à vista fecha em queda de 1,59%, a R$5,3059, e acumula baixa de 4,80% em janeiro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar terminou janeiro no ritmo que embalou boa parte do mês, mostrando forte queda, para uma mínima em mais de quatro meses, e quebrando importante suporte técnico, num dia amplamente favorável a moedas e outros ativos de risco ao fim de um turbulento janeiro nas praças financeiras globais.

O dólar à vista fechou esta segunda-feira em baixa de 1,59%, a 5,3059 reais. É o menor valor desde 22 de setembro do ano passado (5,3033 reais). Na mínima intradiária, a cotação chegou a descer para 5,2848 reais.

A queda percentual diária foi a mais forte desde o último dia 19 (-1,68%), o que afundou o dólar abaixo de sua média móvel linear de 200 dias pela primeira vez desde setembro do ano passado.

O real figurou entre os melhores desempenhos nos mercados globais de câmbio neste pregão.

No acumulado de janeiro, o dólar recuou 4,80%. É a maior desvalorização mensal desde novembro de 2020 (-6,82%) e a mais expressiva para meses de janeiro desde 2019 (-5,57%).

A moeda brasileira também foi destaque na performance mensal. Com ganho de 5,04%, o real só ficou atrás do peso chileno (+6,4%) na seleta lista de divisas que conseguiram começar o ano vencendo o dólar. De 33 importantes pares, o dólar só perdeu valor em janeiro contra dez.

(Por José de Castro)

Empresa turca Bitci vai abrir plataforma de negociação de criptoativos no Brasil, diz presidente

Por Ezgi Erkoyun

ISTAMBUL (Reuters) – A companhia turca de tecnologia blockchain Bitci pretende abrir uma plataforma de negociação de criptomoedas no Brasil em fevereiro, disse o presidente-executivo, Onur Altan Tan, em entrevista.

Fundada em 2018 na cidade turística de Bodrum, no sudoeste da Turquia, a Bitci opera uma plataforma de negociação de criptomoedas, uma instalação de mineração e uma rede blockchain vinculada à sua plataforma de negociação e pagamento.

A empresa também oferece tokens para torcedores, um tipo de criptomoeda adotada por alguns clubes de futebol, que tiveram suas receitas impactadas pela pandemia. A Bitci espera que uma plataforma de negociação no Brasil aproveite as ligações da empresa com os clubes de futebol do país, disse Tan à Reuters.

“Estamos abrindo ‘uma exchange’ de criptomoedas no Brasil porque temos ativos valiosos lá. Nós lançamos tokens da seleção brasileira e temos acordos com outros seis clubes”, disse ele.

A Bitci lançou 25 tokes para torcedores de futebol, incluindo da seleção espanhola, do Wolves, clube que joga a Premier League, e do Rangers, da Escócia, além de alguns para automobilismo. O objetivo é ter mais de 50 tokens até o final do ano.

Os clubes de futebol enxergam esses criptoativos como formas de gerar novas receitas e manter os torcedores engajados. Os proprietários dos tokens podem votar em decisões menores do clube, como as músicas que tocam após os gols.

Os tokens também podem ser negociados, como outras criptomoedas, e propensos a oscilações bruscas de preço.

Os direitos exclusivos da Bitci sobre os tokens devem ser uma oportunidade para crescer no Brasil, acrescentou Tan. “Nosso objetivo é alcançar o líder de mercado local em muito pouco tempo com a ajuda de tokens… Lançamos o Brasil em fevereiro e depois a Espanha em março.”

A companhia brasileira Mercado Bitcoin é uma das maiores plataformas de negociação de criptomoedas da América Latina, com mais de 3 milhões de usuários.

O mercado de criptomoedas Brasil se expandiu rapidamente no ano passado, com maior interesse nos ativos à medida que as pessoas tentavam manter o valor de suas economias em meio às consequências econômicas da pandemia. Em janeiro, a B3, que opera a bolsa de valores local, disse que pretende expandir seus produtos e serviços para criptoativos.

No ano passado, as autoridades turcas proibiram o uso de criptoativos para pagamentos, enquanto algumas plataformas locais foram investigadas por fraude.

Houve um boom no uso de moedas digitais na Turquia, alimentado pelo aumento da inflação e pela queda da lira.

Tan disse que depois do Brasil e da Espanha, a Bitci planeja abrir plataformas de criptomoedas em alguns países da Ásia Central, Índia e Rússia este ano.