Inspetores da ONU se aproximam de usina nuclear ucraniana em missão para evitar acidente

Por Tom Balmforth

ZAPORIZHZHIA, Ucrânia (Reuters) – Inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) chegaram nesta quarta-feira à cidade de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, em uma missão para evitar um acidente nuclear em uma usina de energia ocupada pela Rússia, onde bombardeios nas proximidades provocaram temores globais de desastre.

A equipe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) chegou à cidade que fica a 55 quilômetros da usina, onde provavelmente passaria a noite antes de chegar à instalação na quinta-feira.

Embora as autoridades instaladas pela Rússia tenham sugerido que a visita pode durar apenas um dia, a AIEA e as autoridades ucranianas indicam que os inspetores ficarão por mais tempo.

“A missão levará alguns dias. Se conseguirmos estabelecer uma presença permanente, ou uma presença contínua, será prolongada. Mas este primeiro segmento levará alguns dias”, disse o chefe da AIEA, Rafael Grossi, a repórteres em Zaporizhzhia.

“É uma missão que visa evitar um acidente nuclear”, afirmou.

A Rússia capturou a usina nuclear, a maior da Europa, no início de março e sua força militar está lá desde então, assim como a maioria da força de trabalho ucraniana que trabalha para manter em operação a instalação, que tradicionalmente abastecia a Ucrânia com 20% de suas necessidades de eletricidade.

Combates foram relatados perto da usina e mais longe nesta quarta-feira, com Kiev e Moscou reivindicando sucessos no campo de batalha em meio a uma contra-ofensiva ucraniana para recapturar território no sul.

A Ucrânia repeliu as tentativas russas de ataque na direção de Bakhmut e Avdiivka, duas cidades localizadas ao norte da cidade de Donetsk, ocupada pela Rússia, disse o Estado-Maior de suas Forças Armadas nesta quarta-feira. Tropas pró-Moscou se concentraram em Bakhmut em seu esforço para estender o controle sobre a região de Donbas, afirmou.

A Reuters não pôde verificar tais relatórios de forma independente.

Longe da Ucrânia, a Rússia interrompeu o fornecimento de gás através da principal rota de abastecimento da Europa nesta quarta-feira, intensificando uma batalha econômica entre Moscou e Bruxelas que pode levar à recessão e ao racionamento de energia em alguns dos países mais ricos do continente.

A vizinha Estônia anunciou planos para impedir a maioria dos russos de entrar no país dentro de semanas, se possível agindo em conjunto com seus parceiros regionais, depois que a UE estava dividida demais para concordar com uma proibição geral. 

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” para livrar a Ucrânia de nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa.

EUA vão devolver ao Peru dinheiro apreendido de ex-presidente Toledo no caso Odebrecht

Por Luc Cohen e Marcelo Rochabrun

(Reuters) – Os Estados Unidos irão devolver ao Peru cerca de 686 mil dólares apreendidos do ex-presidente Alejandro Toledo, que recebeu propina do conglomerado brasileiro de construção Odebrecht, informou o Departamento de Justiça norte-americano nesta quarta-feira.

Promotores federais no Brooklyn, em Nova York, disseram que a Odebrecht pagou 25 milhões de dólares em propinas a Toledo, que foi presidente do Peru entre 2001 e 2006, em troca de contratos para a construção de rodovias.

Os promotores disseram que Toledo usou 1,2 milhão de dólares do dinheiro em 2007 para comprar uma casa no Estado de Maryland, vendida por ele oito anos depois.

Em 2020, um juiz decidiu que os promotores poderiam apreender o dinheiro que Toledo mantinha em uma conta no Bank of America.

“O confisco civil desempenha um papel crítico em privar criminosos de seus ganhos ilícitos, independentemente de seu status”, disse Breon Peace, principal promotor federal do Brooklyn, em comunicado.

A Odebrecht admitiu ter distribuído propinas a governos de toda a América Latina para ajudar a consolidar seu vasto império de construção.

Toledo negou ter solicitado ou recebido subornos e não foi acusado criminalmente nos Estados Unidos. O ex-presidente não pôde ser encontrado para comentar a situação, e seus advogados norte-americanos não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

Toledo agora vive na Califórnia, onde luta contra as tentativas do governo peruano de extraditá-lo para enfrentar acusações de suborno relacionadas à Odebrecht. Ele foi representado no processo de extradição por um defensor público, e disse não ter renda ou poupança.

O Departamento de Estado dos EUA decidirá se irá ou não extraditá-lo.

O Ministério das Relações Exteriores do Peru tuitou em fevereiro que havia fechado um acordo com os Estados Unidos para repatriar o dinheiro de Toledo.  

Preço do milho cai em Chicago, mas ainda tem ganho mensal; soja recua

Por Julie Ingwersen

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros de milho caíram pela segunda sessão consecutiva nesta quarta-feira devido à realização de lucros no final do mês e crescentes preocupações com a recessão global, mas o mercado, no entanto, ganhou 8% em agosto diante do recuo nas perspectivas de safra dos EUA e da Europa.

Os futuros de soja fecharam em baixa após uma sessão de idas e vindas. Mas o trigo subiu em meio a compras técnicas e as preocupações com os embarques da Ucrânia devastada pela guerra.

Silos de grãos no segundo maior porto da Ucrânia, Mykolaiv, foram atingidos por bombardeios russos na cidade na terça-feira, causando um incêndio que ainda estava queimando nesta quarta-feira, informou o serviço de emergências ucraniano.

O milho de dezembro na Bolsa de Chicago perdeu 6,75 centavos a 6,7050 dólares por bushel. A soja novembro terminou em queda de 10 centavos a 14,2250 dólares por bushel, enquanto o trigo dezembro na CBOT terminou em alta de 11,25 centavos a 8,3150 dólares por bushel.

O milho foi pressionado porque traders registraram lucros após o contrato de dezembro atingir uma máxima de dois meses na segunda-feira. Uma ampla queda nos mercados de commodities e financeiros também pesou sobre os preços.

“O macroambiente continua negativo para a agricultura esta semana”, disse Charles Branch, head de commodities agrícolas da Britannia Global Markets.

(Reportagem de Julie Ingwersen em Chicago, Gus Trompiz em Paris e Naveen Thukral em Cingapura)

Neoenergia assina memorando para projetos de hidrogênio verde e eólica offshore no RS

(Reuters) – A Neoenergia assinou nesta quarta-feira um memorando de entendimento com o governo do Rio Grande do Sul para o desenvolvimento de projetos de hidrogênio verde e geração de energia eólica offshore, informou a companhia em comunicado.

O compromisso foi firmado durante a feira agrícola Expointer, na cidade de Esteio (RS).

Com vigência de três anos, o acordo prevê a cooperação na realização dos estudos para fomento às duas tecnologias de energia limpa considerando a relevância portuária e o potencial eólico do Estado.

A companhia de energia está desenvolvendo estudos para a geração eólica em alto-mar no litoral gaúcho, o parque Águas Claras.

Em relação ao hidrogênio verde, a parceria prevê desenvolvimento de projeto piloto de produção, além de análise de oportunidades no Porto de Rio Grande.

Antes do novo acordo com o governo gaúcho, a Neoenergia já havia assinado memorandos de entendimento com os governos de Pernambuco, do Ceará e do Rio Grande do Norte para o desenvolvimento de hidrogênio verde.

(Por Rafaella Barros)

Biden conversa com primeiro-ministro do Iraque após onda recente de violência

Por Kanishka Singh

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, telefonou na quarta-feira para o primeiro-ministro interino do Iraque, Mustafa Al-Kadhimi, após os episódios de violência nesta semana em Bagdá, informou a Casa Branca.

“O presidente elogiou a liderança pessoal do primeiro-ministro Kadhimi durante a escalada de tensões e violência durante um período de 24 horas no início desta semana”, disse a Casa Branca em comunicado após a ligação, acrescentando que os dois líderes concordaram em manter contato nas próximas semanas.

Bagdá viu os piores episódios de violência em anos nesta semana, quando grupos muçulmanos xiitas rivais entraram em conflito na capital iraquiana depois que o poderoso clérigo Moqtada al-Sadr anunciou que estava deixando a política. 

Sadr disse que sua decisão foi motivada pelo fracasso de outros líderes e partidos xiitas em reformar o sistema de governo do Iraque. Os Estados Unidos descreveram a agitação como perturbadora.

A violência esfriou depois que Sadr ordenou na terça-feira que seus seguidores encerrassem seus protestos no centro de Bagdá. Ao pedir desculpas aos iraquianos depois que 22 pessoas foram mortas em combates entre um grupo armado leal a ele e facções xiitas rivais apoiadas pelo Irã,  Sadr condenou os confrontos e deu ordens a seus próprios seguidores para se dispersarem.

Os conflitos recentes aconteceram após 10 meses de impasse político desde as eleições parlamentares, e o presidente Barham Salih alertou que a crise ainda não acabou, pedindo eleições antecipadas.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS PB

CORREÇÃO (OFICIAL)- Galp vence processo de venda direta para petróleo da União de Sépia

(Corrige nome da companhia vencedora para Galp e não Petrogal como havia sido informado pela PPSA)

(Reuters) – Corrige nome da companhia vencedora para Galp e não Petrogal como havia sido informado pela PPSA

A Galp Energia Brasil venceu o processo de venda realizado pela Pré-Sal Petróleo (PPSA) para vender a primeira carga de 500 mil barris de petróleo da União oriunda do contrato de partilha de produção de Sépia, informou a PPSA nesta quarta-feira.

A carga estará disponível para carregamento no último trimestre do ano.

Das 10 empresas que já possuem operação no pré-sal e foram convidadas para participar, três enviaram propostas: Petrobras, Galp e Total.

Pela dinâmica do processo, a vencedora seria quem oferecesse o maior preço tendo como base a referência definida pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). 

As ofertas foram abertas em tempo real em reunião online entre a PPSA e representantes das empresas participantes.  

(Por Rafaella Barros)

EUA nunca permitirão que Irã adquira arma nuclear, diz Biden a líder de Israel

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quarta-feira ao primeiro-ministro israelense, Yair Lapid, que os Estados Unidos nunca permitirão que o Irã adquira uma arma nuclear, anunciou a Casa Branca, enquanto Teerã busca garantias mais robustas de Washington para a retomada de um acordo nuclear com as potências mundiais.

Israel se opõe ao retorno ao pacto de 2015, que impôs restrições ao programa de armas nucleares do Irã em troca da suspensão de sanções impostas a Teerã pelos EUA, União Europeia e ONU.

Em uma medida que agradou Israel, o ex-presidente norte-americano Donald Trump desistiu do acordo em 2018 e reestabeleceu duras sanções, levando o governo de Teerã a violar os limites de atividades nucleares previstos no acordo desde então. Biden prometeu ressuscitar o pacto enquanto garante a segurança de Israel, considerado o arqui-inimigo regional do Irã.

“O presidente ressaltou o compromisso dos EUA de nunca permitir que o Irã adquira uma arma nuclear” em uma ligação na qual Biden e Lapid também discutiram as “ameaças representadas pelo Irã”, anunciou a Casa Branca em um comunicado.

Biden também enfatizou a importância de concluir as negociações de fronteiras marítimas entre Israel e Líbano, acrescentou a nota.

Em sua transcrição da ligação, o gabinete de Lapid disse que os dois líderes “falaram longamente sobre as negociações sobre o acordo nuclear e seu compromisso compartilhado de impedir o progresso do Irã em direção a uma arma nuclear”.

(Reportagem de Trevor Hunnicutt e Rami Ayyub em Washington)

(( Tradução Redação São Paulo)) 

REUTERS PB 

Orçamento de 2023 não atende principais promessas de Bolsonaro, mas mantém desoneração de combustíveis

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) – O projeto de Orçamento para 2023 enviado pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso nesta quarta-feira não atende a promessas de campanha feitas pelo presidente, que tenta a reeleição, como a manutenção do Auxílio Brasil turbinado e a correção da tabela do Imposto de Renda, mas prevê a manutenção de desonerações tributárias para combustíveis.

O projeto, que tinha prazo legal para ser enviado ao Legislativo até esta quarta-feira, prevê que o governo central terá um déficit de 63,7 bilhões de reais em 2023, equivalente a 0,6% do PIB, retornando ao vermelho após o provável superávit a ser observado este ano. A meta fiscal estabelecida para o ano pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), já aprovada pelo Congresso, é de 65,91 bilhões de reais.

A estimativa de rombo só não foi maior porque, sem espaço nas contas, o Ministério da Economia apresentou o projeto estabelecendo que o benefício do Auxílio Brasil cairá para 400 reais a partir de janeiro.

A regra vigente, que se baseou em um estado de emergência aprovado pelo Congresso e amparado nos efeitos da guerra na Ucrânia para aumentar o auxílio a 600 reais, com os gastos extras excluídos da regra do teto, tem validade até dezembro.

Bolsonaro, porém, tem afirmado que pretende manter o benefício em 600 reais ano que vem e que as contas serão alteradas posteriormente para prever o benefício, que tem custo adicional estimado em cerca de 52 bilhões de reais no ano.

A verba prevista para o programa no projeto orçamentário é de 105,7 bilhões de reais, suficiente para bancar um benefício mensal médio de 405,21 reais por família.

Na mensagem presidencial que acompanha o projeto, o governo afirmou que reconhece a relevância do programa, argumentando que fará esforços “em busca de soluções jurídicas e de medidas orçamentárias que permitam a manutenção do referido valor no exercício de 2023”.

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, afirmou que as conversas com o Congresso para viabilizar as medidas que ficaram fora do projeto ocorrerão apenas após as eleições.

“O Auxílio Brasil (de 600 reais) não foi colocado no Orçamento porque está dentro do teto de gastos e não teria como caminhar com a máquina pública (se estivesse inserido), demandaria uma alteração constitucional”, disse.

O secretário ressaltou que o Tesouro trabalha para apresentar uma proposta de nova regra fiscal com âncora baseada no nível da dívida pública. A medida permitiria gastos do governo acima da inflação a depender do nível de endividamento.

TABELA DO IMPOSTO DE RENDA

O programa de governo de Bolsonaro em caso de eventual reeleição traz promessa de correção da tabela do Imposto de Renda em 31%, isentando inicialmente trabalhadores com salários de até 2.500 reais, com objetivo de ampliar essa isenção ao término de eventual segundo mandato. O reajuste já havia sido prometido por Bolsonaro na campanha de 2018, mas não foi cumprido.

O benefício, entretanto, também não está previsto no Orçamento apresentado pelo governo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem argumentado que o Executivo trabalhará para aprovar a reforma do Imposto de Renda logo após as eleições, o que permitiria a correção da tabela e, com a taxação de dividendos, abriria espaço para bancar o adicional do Auxílio Brasil.

“Se buscará construir consenso com o Parlamento e a sociedade para efetivação da reforma e a respectiva correção da tabela do Imposto de Renda”, prometeu o presidente na mensagem apresentada nesta quarta.

Apesar de reconhecer que uma redução linear do Imposto de Renda não exige compensação, Colnago disse que o governo implementará a medida com uma fonte correspondente para que não haja prejuízo fiscal.

Em outro ponto que sofre com as restrições, a peça orçamentária prevê uma reserva de 11,6 bilhões de reais para reajustes salariais de servidores públicos do Executivo, valor suficiente para aumentar as remunerações do funcionalismo em 4,8%, bem abaixo da inflação corrente e menor do que os 5% já sinalizados pelo governo anteriormente. Se somado o impacto para Legislativo e Judiciário, a previsão no Orçamento ficou em 14,2 bilhões de reais.

Um ponto que atende compromisso feito pelo presidente é a manutenção da desoneração de tributos federais em 2023. A regra atual tem vigência até dezembro e as cobranças retornariam em janeiro, mas o Orçamento apresentado nesta quarta-feira já prevê a manutenção do benefício e a renúncia correspondente de receita.

Pela proposta, há previsão de 80,2 bilhões de reais adicionais em incentivos e desonerações, incluindo as de tributos federais sobre combustíveis. Somente a prorrogação do benefício sobre gasolina, etanol, diesel e gás somará uma renúncia de 52,9 bilhões de reais.

INVESTIMENTOS EM BAIXA

O nível de despesas discricionárias, que o governo tem capacidade de manejo, cairá de 8,4% das despesas totais neste ano para 6,3% em 2023, nível considerado baixo pela pasta.

“Precisamos rever o Orçamento público, não tem como continuar convivendo com 94% de despesas obrigatórias”, disse Colnago, defendendo que sejam retiradas amarras do Orçamento.

Com as contas limitadas, o governo prevê que o nível de investimentos públicos em 2023 ficará em 20 bilhões de reais, o menor patamar em pelo menos quatro anos.

O texto enviado ao Congresso foi elaborado com a projeção de que o PIB brasileiro crescerá 2,5% no ano que vem, bem acima do 0,37% previsto pelo mercado, segundo o mais recente boletim Focus apresentado pelo Banco Central.

Se o crescimento da atividade nessa magnitude não se confirmar, o governo tende a arrecadar menos impostos, o que poderá comprometer as contas do ano.

O governo prevê que a dívida bruta subirá de 78% do PIB no fim deste ano para 79% no ano que vem, caindo nos anos seguintes. O patamar também não considera as promessas não concretizadas do presidente.

Estimativa da pasta aponta que a despesa do governo no ano que vem ficará em 17,6% do PIB. Em cenário com manutenção do Auxílio Brasil em 600 reais, esse patamar subirá para 18,1% do PIB.

A proposta orçamentária ainda atualizou o valor do salário mínimo para 2023 para 1.302 reais, ante 1.294 previstos anteriormente. O valor final será conhecido apenas no encerramento do ano e dependerá da variação da inflação.

EMENDAS PARLAMENTARES

O projeto reserva 38,793 bilhões de reais para emendas parlamentares. Desse total, 19,397 bilhões de reais são relativos a emendas do relator do Orçamento.

Diante do aperto nas contas, o Ministério da Economia alocou antecipadamente 10 bilhões de reais em emendas do relator em gastos com saúde e 3,5 bilhões de reais para despesas com pessoal. Colnago afirmou que essa estratégia segue a média de alocação de recursos nessas áreas em anos anteriores.

O governo ainda decidiu reservar 5,85 bilhões de reais para a realização de concursos públicos em 2023. O montante é suficiente para contratar cerca de 49,8 mil servidores.

Após aprovar uma restrição nos pagamentos de precatórios, o Ministério da Economia estima um pagamento de 17,1 bilhões de reais a essa finalidade no ano que vem. Com a limitação, outros 51,2 bilhões de reais em precatórios poderão ser empurrados para anos seguintes caso não haja propostas para uso do novo mecanismo de encontro de contas, quando credores usam esses títulos para abater dívidas ou fazer pagamentos à União.

Itaú assumirá operação de cartões e de financiamento de veículos do Itaucard

SÃO PAULO (Reuters) – O Itaú Unibanco informou nesta quarta-feira que seu conselho de administração aprovou uma reorganização societária que envolve a cisão parcial do Banco Itaucard e a incorporação da parcela cindida pela companhia.

Na prática, o Itaú assumirá algumas atividades do Itaucard, como emissão e administração de cartões de crédito, gestão de arranjos de pagamento e programas de fidelidade, além de financiamento de veículos, máquinas e equipamentos e as atividades ligadas ao setor de mobilidade.

“A atividade de oferta e manutenção de contas de pagamento, as aplicações financeiras, os títulos e valores mobiliários, incluindo derivativos, dentre alguns outros créditos e bens, permanecerão no Itaucard”, afirmou o Itaú no comunicado.

(Por Aluísio Alves)

Klabin tomará crédito de até US$800 mi para comprar máquina de papel

SÃO PAULO (Reuters) – A fabricante de papel e celulose Klabin informou nesta quarta-feira que seu conselho de administração aprovou tomar uma linha de crédito de até 800 milhões de dólares para financiar parte do projeto Puma II.

Segundo ata da reunião do conselho da companhia, os recursos deve ser usados para comprar uma máquina de papel para produção de “Paper Board” ou “Kraft Paper” referente à primeira e à segunda fase do Projeto Puma II.

(Por Aluisio Alves)