Ações asiáticas sobem com manutenção do bom humor dos mercados

Os ativos de risco estão se recuperando bem nos últimos dias após um surto de turbulência desencadeado pelo surgimento da nova variante da Covid-19. 

O alívio veio após constatações de que os casos da ômicron não sobrecarregaram os hospitais e nem requereram medidas de restrições consideráveis. 

Com isso, o Nikkei 225 fechou com alta de 1,42% no Japão. Já o índice coreano Kospi subiu 0,34%. O australiano ASX 200 ganhou 1,25%. Na China, o Shanghai Composite variou 1,18%.

Vacina da Pfizer

A última boa notícia revelada foi que a vacina da Pfizer mostrou fornecer proteção parcial contra a variante ômicron em um estudo sul-africano.

Um laboratório do Instituto de Pesquisa em Saúde da África, na África do Sul, testou o sangue de 12 pessoas que haviam sido vacinadas com a vacina da Pfizer/BioNTech.

Os resultados mostraram uma queda muito alta na neutralização da variante ômicron em relação a uma cepa anterior da Covid.

Porém, os dados preliminares no manuscrito ainda não foram revisados por pares, o que requer cuidado na conclusão.

“Essa evidência anedótica parece ter acalmado os mercados financeiros, por enquanto, como evidenciado pela recuperação dos ativos de risco”, disse Carol Kong, estrategista do Commonwealth Bank of Australia, em uma nota. 

“Mas alertamos contra tirar conclusões desses primeiros relatórios.” A menos que a variante se mostre resistente às vacinas, “esperamos que a economia global continue em grande parte com seu caminho de recuperação pré-omicron”, disse a analista.

Fatores de risco no radar

Apesar da calmaria estar levando os mercados para cima nesta semana, os investidores podem não estar livres de novas turbulências.

Isso porque ainda persistem as preocupações sobre as respostas dos bancos centrais às elevadas pressões de preços, novas restrições para conter a disseminação do ômicron e aumento das tensões geopolíticas. 

Política monetária

Sobre a política monetária, Jeffrey Gundlach, sócio fundador da DoubleLine Capital LP, vê “águas turbulentas” à frente para os mercados financeiros, já que o Federal Reserve está prestes a acelerar o fim da flexibilização quantitativa e, em seguida, voltar-se para o aumento das taxas de juros. 

O Goldman Sachs Group Inc. está alertando os compradores de queda para proceder com cautela em meio à inclinação do Fed em intensificar suas ações em direção ao aperto monetário.

EUA e Rússia 

No cenário geopolítico, o destaque é para o acirramento do embate entre EUA e Rússia sobre as ações deste último na Ucrânia.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, mencionou na quarta-feira (01/12), durante reunião da OTAN, a existência de “evidências” de que a Rússia poderia estar planejando uma invasão à Ucrânia e ameaçou Moscou com sanções econômicas significativas em caso de ataque.

Ontem (07/12), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, tiveram uma conversa virtual de duas horas sobre a Ucrânia e outras disputas, em meio aos temores ocidentais de que a Rússia esteja prestes a invadir sua vizinha do sul.

O Kremlin disse esperar que os dois líderes consigam realizar uma cúpula presencial para debater o que descreve como o estado lamentável das relações EUA-Rússia, que estão em seu pior momento desde o fim da Guerra Fria. 

Em tom apaziguador, Dimitry Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que os dois líderes procurarão encontrar uma solução conjunta para a questão, porém, manteve a guarda levantada ao afirmar que a Rússia buscará garantir seus interesses.

“Estamos buscando relações boas, previsíveis com os Estados Unidos. A Rússia nunca pretendeu atacar ninguém, mas temos nossas preocupações e temos nossas linhas vermelhas”, disse Peskov.

Antes da videoconferência, autoridades norte-americanas disseram que Biden diria a Putin que a Rússia e seus bancos poderiam ser atingidos pelas piores sanções econômicas até hoje se invadir a Ucrânia.