Alguns fatores que influenciarão o gás natural daqui pra frente

As cotações do gás natural se comportaram como uma montanha russa neste ano. Desde as máximas de outubro, quando as cotações estavam 150% acima do início do ano, os preços passaram a cair fortemente e já acumulam queda de cerca de 40%.

A alta dos preços veio a partir do descompasso entre demanda e oferta.

No lado da demanda, tivemos um salto ocorrido pela rápida recuperação da crise da pandemia da COVID-19.

Soma-se a isso as expectativas de um inverno gelado para muitas partes do mundo, enquanto os temores de que o mercado poderia enfrentar escassez durante grande parte do próximo ano.

A pressão da procura da commodity energética nos preços se deveu principalmente por causa dos baixos estoques

A oferta restrita da Rússia e a forte demanda na China e na América Latina tornaram as economias europeias, incluindo Espanha, Holanda e Reino Unido, particularmente vulneráveis. 

Parte desse problema se deve ao movimento dos países nos últimos anos de fecharem as usinas movidas a carvão e tornarem-se mais dependentes do gás.

No passado recente, o setor de energia estava sendo orientado a lidar com o fato de que os preços do gás natural tenderiam a ser negociados a preços baixos por um longo tempo. Isso gerou um corte nos investimentos previstos para expandir a produção.

Porém, o aumento dos preços tem sido um ótimo incentivo para alterar este cenário de subinvestimento e fazer com que novos projetos saiam do papel.

Como consequência, a expansão da capacidade produtiva poderá abrir margem para um cenário futuro de preços mais baixos. 

A Bloomberg levantou alguns fatores, tanto do lado da oferta quanto da demanda, que poderão impactar as cotações do gás natural nos próximos períodos. 

Vejamos um pouco sobre estes pontos.

Nord Stream 2

Os preços altíssimos da Europa devem despencar quando o oleoduto Nord Stream 2 da Rússia começar, já que os novos fluxos diminuem os temores de escassez. 

O problema é que ninguém sabe ao certo quando isso acontecerá.

Nord Stream 2 da Rússia pode precisar de mais alguns meses para começar a bombear gás natural para a Alemanha e ajudar a aliviar a crise na Europa crise de energia.

O projeto de 1.230 quilômetros está envolto em burocracia, esperando por uma aprovação do regulador alemão e uma revisão pelas autoridades da União Europeia. 

Isso significa que o continente pode passar a maior parte do inverno sem os bilhões extras de metros cúbicos que a Rússia poderia bombear.

O processo de aprovação pode atrasar o início das operações até a primavera ou mesmo o verão de 2022. 

Um cenário de “sem pipeline” pode levar o armazenamento a um nível criticamente baixo no final do inverno, de acordo com a Bloomberg NEF. 

Isso poderia pressionar os governos a aprovar o gasoduto de alguma forma antes disso para manter as famílias mais aquecidas e as contas mais baixas.

Demanda chinesa

O apetite aparentemente insaciável da China por gás natural liquefeito (GNL) continua surpreendendo o mercado.

O país está prestes a se tornar o maior importador mundial do combustível super-resfriado este ano – bem antes do previsto pelos analistas.

A atual escassez de energia se deve em parte à necessidade da China de impulsionar sua economia enquanto se afasta dos combustíveis mais sujos, especialmente o carvão, em busca de metas climáticas ambiciosas. 

“A China claramente terá aumentado a demanda de gás”, disse Steve Hill, vice-presidente executivo da Shell Energy. 

“Se a China tiver que encontrar soluções para reduzir suas emissões, o gás terá que desempenhar um papel maior porque, em última análise, parte do carvão precisará ser deslocado.”

Novos projetos

Dos EUA a Moçambique, há um campo lotado de projetos de exportação de GNL disputando as decisões finais de investimento. 

O mais recente é o desenvolvimento de Scarborough da Woodside Energy Ltd. na Austrália, que é parte de um plano de investimento de US$ 12 bilhões.

Desenvolvedores americanos – incluindo Cheniere Energy Inc., Venture Global LNG Inc. e Tellurian Inc. – estavam ocupados assinando acordos de fornecimento para seus projetos de exportação propostos. 

As empresas afirmam que vão conseguir financiamento no próximo ano.

Os governos da Austrália e do Japão dizem que o mundo precisa de mais investimentos no fornecimento de gás natural para evitar outra escassez. 

Se isso se concretizar em 2022, pode ajudar a determinar se haverá gás suficiente no final da década.

Projetos dos EUA

Duas novas instalações de exportação de GNL na Louisiana podem transformar os Estados Unidos no maior exportador mundial. 

O processo de comissionamento do Train 6, em Sabine Pass e Calcasieu Pass LNG, foi iniciado, e agora é apenas uma questão de quando eles enviarão suas primeiras cargas.

Sabine Pass já produziu suas primeiras gotas de GNL e deverá estar em serviço comercial no final do primeiro trimestre, cerca de um ano antes da data de conclusão original garantida do trem. 

Usando uma abordagem modular para construção, Calcasieu Pass está recebendo pequenas quantidades de gás natural como matéria-prima para seus primeiros trens.

Atualmente os Estados Unidos são o terceiro país com maior capacidade de produção de GNL, atrás do Catar e da Austrália. Porém, com os novos projetos há o potencial da produção americana atingir o primeiro lugar.

Questões ambientais

O debate sobre o papel do combustível na transição energética se intensificará nas próximas décadas. 

Além de ser um grande emissor de CO2, toda a cadeia de valor do gás natural vaza metano, ameaçando interromper os esforços globais para reduzir os gases de efeito estufa.

As empresas enfrentam uma pressão crescente de investidores, governos e consumidores para reforçar suas credenciais verdes. 

A gigante italiana de energia Enel SpA estabeleceu um prazo de 2040 para deixar o gás para trás, dizendo que o combustível não é mais competitivo para geração de eletricidade. 

O francês La Banque Postale planeja sair da indústria de gás até 2030, tornando-se o primeiro banco a fazer tal promessa.

Ainda assim, o gás natural oferece flexibilidade para um sistema baseado em energias renováveis. É menos poluente que o carvão e pode ser usado para criar hidrogênio azul. 

BP Plc, Sinopec, Equinor ASA e Royal Dutch Shell Plc estão entre os produtores que buscam o hidrogênio como forma de fazer parte da próxima geração de energia.