Ilustração da criptomoeda Bitcoin

Bitcoin bate os 370 mil reais.

Com a valorização do Bitcoin, surge a dúvida: será que estamos presenciando mais um movimento de valorização da criptomoeda?

Último ciclo de alta

Até abril de 2021, o Bitcoin vinha surfando em um movimento de alta. A criptomoeda vinha desde o final de 2020 se valorizando até chegar a superar o patamar dos R$ 350 mil.

Depois o Bitcoin caiu e chegou próximo dos R$ 170 mil. Olhando as movimentações do Bitcoin, é natural que a criptomoeda passe por momentos de forte alta e depois de queda.

Sendo que o tamanho desses movimentos são difíceis de prever. Às vezes notícias podem desencadear a valorização, ou até mesmo a desvalorização.

Por não contar com um órgão regulador, o Bitcoin, como praticamente qualquer criptomoeda acaba sofrendo com a volatilidade.

Vale destacar que um dos fatos que pode estar contribuindo para a valorização recente do Bitcoin é o lançamento de um ETF referente a criptomoeda ( ETF: BITO).

O ETF é um fundo de índice que normalmente tem em sua composição uma grande posição no ativo alvo.

Por vezes, o ETF possui em sua carteira a composição completa de um índice. No caso do ETF lançado recentemente, a composição tem contratos futuros de Bitcoin.

Ou seja, não estamos tratando do investimento direto no Bitcoin, mas em contratos futuros referentes à criptomoeda.

Investir em Bitcoin vale a pena?

Decidir se vale ou não, é algo pessoal e vai depender da experiência de investir para investidor. É fato que o Bitcoin já não é uma novidade, uma vez que a existência da criptomoeda  já tem um tempo considerável.

É claro que o mercado vem aceitando e lidando com ela de várias formas. A construção de um ETF que possui posição em contratos do mercado futuro de Bitcoin, é algo inovador.

No Brasil já há ETF que seguem índices de criptomoedas e até que investem só em Bitcoin, ou em outras criptomoedas.

Toda vez que o Bitcoin ganha mais alcance, mais Bitcoins são negociados e isso pode gerar maior procura que por sua vez traz valorização.

Observando que o Bitcoin é um ativo finito, a tendência natural é que o mesmo se valorize cada vez mais. No meio disso, haverá momentos de queda, coisa que é natural.

O problema é a volatilidade. A queda do Bitcoin dificilmente será só de 5%, 10%, ou 15%, mas pode ser de 50%, em questão de poucos dias, por exemplo.

Considerando o tamanho da volatilidade do Bitcoin, fica claro que uma posição pequena é a atitude mais acertada.