Biden promulga lei que eleva limite da dívida dos EUA

Bitcoin rompe os US$ 60 mil com impulso dos EUA

Rumo à números históricos

Os portadores de Bitcoins (BTC) tem bons motivos para se animarem entre essa sexta-feira (15) e a próxima semana. Isso de acordo com as primeiras atualizações, a Security and Exchange Comission (SEC) dos Estados Unidos está prestes a aprovar a negociação de ETFs, os fundos negociados em bolsa, que contenham futuros de Bitcoin.

Como resposta automática às boas novas, o BTC finalmente voltou a romper a barreira dos US$ 60 mil, o que não acontecia desde abril. A alta agora se aproxima dos números históricos apresentados pela moeda no mês 4 – quando se estabeleceu na casa dos US$ 64 mil – ao já se manter seguramente acima dos US$ 61 mil já no meio dessa sexta.

Toda essa movimentação se originou do relatório do SEC referente às reuniões da quinta-feira (14). Nele, destacou-se o trecho em que o órgão declara “não pretender bloquear os produtos (Bitcoins) de começarem a serem negociados já na próxima semana. ”

O posicionamento foi reforçado quando o Twitter de uma das contas do regulador orientou aos investidores que “se certifiquem de riscos e benefícios possíveis” ao investir em um fundo que conta com contratos futuros de Bitcoin.

Evolução até a aprovação

Vale ressaltar os destaques dados, tanto via tweet quanto por relatório, aos inícios de investimentos por meio de contratos futuros. A expectativa é que os debates para negociações à vista fiquem somente para os meses de novembro e dezembro.

A aprovação, aliás, só veio por conta dessa condição, uma vez que as propostas de adição dos Bitcoins em meio aos contratos de transações à vista já haviam sido barradas algumas vezes. Ao trabalhar com contratos que serão ativos em caso de preço previamente acordado, o presidente da SEC, Gary Gensler disse que a nova proposta “oferece ao investidor uma segurança significante. ”

A onda de otimismo e novidades referentes às criptomoedas nos Estados Unidos surgiu a partir dos debates referentes aos planos de fiscalização do uso dos ativos como forma de pagamentos em atos de cyber-terrorismo. Pouco a pouco, as conversas foram evoluindo para regulamentações em outros aspectos, como junto às stablecoins do dólar americano e, agora, fundos de investimento.

No Brasil, as conversas seguem caminhos similares, uma vez que por conta dos esquemas de pirâmide que se espalharam pelo estado do Rio de Janeiro e utilizavam o investimento em Bitcoins para atrair mais vítimas (destaque para o caso da GAS consultoria), o Projeto de Lei (PL) 2303/2015 voltou a movimentar a pauta no legislativo brasileiro.