Brasil pode ter superávit primário em 2021.

O Brasil não consegue fechar as contas públicas no positivo desde 2013. Se conseguir tal feito, o que podemos esperar do Brasil em 2022?

2022 será um ano mais complicado

Aparentemente muitos indicadores relevantes sobre a economia vem dando sinais positivos. O desemprego está em queda, o Brasil terá crescimento substancial do PIB em 2021 e as contas públicas podem fechar no positivo, mas, as expectativas e alguns sinais, dão a entender que tal cenário, positivo, pode não perpetuar em 2022.

Com a inflação e o juro em alta, a atividade econômica pode diminuir. Essa redução, normalmente, é acompanhada de desemprego e queda do PIB.

Dentre todos os indicadores, o crescimento do PIB é aquele que sugere a possibilidade de uma estagnação em 2022.

No decorrer de 2021, o PIB dava sinais de crescimento, podendo chegar aos 5% ou mais, porém,  no meio de 2021 para frente, as expectativas mudaram e os indicadores referentes ao PIB mostraram que o crescimento, provavelmente, não alcançará os 5%.

Mesmo que haja crescimento no PIB, ele já vem perdendo força em 2021 e provavelmente ficará mais fraco em 2022. Isso sugere dificuldades no ano que vem.

O juro alto e a inflação acima da meta também vão influenciar no recrudescimento econômico. Por mais que haja mais pessoas empregadas, a renda das pessoas diminuiu boa parte, por conta da inflação.

A correção de salários e os aumentos que vão ocorrer no ano que vem, provavelmente vão alimentar ainda mais a inflação. Tudo isso, tende a conturbar mais ainda o ano de 2022.

Ibovespa em alta

No último pregão do ano, o Ibovespa conseguiu alcançar valorização de 0,69%. No ano de 2021, a queda foi de 11,81%.

Já o S&P 500 caiu no último pregão. A retração do índice foi de 0,30%, mas com valorização de 29,13% em 2021.

O dólar registrou forte queda frente ao real. A desvalorização do USD/BRL chegou a 2,31%. Com a bolsa mais volátil, o investimento em ações, ou em outros ativos negociados em bolsa pode ser mais difícil em 2022.

Observando essa volatilidade, a renda fixa aparece como ótima alternativa de investimento. O juro provavelmente vai subir mais 1,5% ainda na primeira reunião do COPOM em 2022 e há expectativas que mais aumentos possam ocorrer.

Sendo assim, papéis atrelados ao CDI, ou à Selic, são alternativas interessantes, tanto devido à rentabilidade quanto pela segurança e liquidez.