Empresas já usam o metaverso para a contratação e interação de funcionários

Quando o Facebook anunciou que havia mudado o nome de sua empresa para Meta, o mundo virtual conhecido como metaverso de repente chamou muita atenção.

A Meta tem como objetivo construir uma experiência digital onde várias pessoas possam interagir em um ambiente 3D, com o CEO Mark Zuckerberg delineando seu plano para deixar de ser uma rede social e se tornar uma empresa metaversa.

De acordo com a Reuters, a Meta começou a testar seu aplicativo de trabalho remoto Horizon Workrooms em agosto, com as pessoas usando avatares próprios, óculos e fones de ouvido de realidade aumentada da empresa (Oculus Quest 2) para realizar reuniões.

Enquanto a Meta pode falar sobre mundos virtuais como experiências novas e imersivas, outros veem o metaverso como já existente por meio de plataformas como Discord, que começou como um lugar para os jogadores de videogame se encontrarem online.

Além destes, essa empreitada também tem sido verificada em iniciativas de outras empresas de tecnologia, como a Journee e Roblox.

Para Thomas Johann Lorenz, co-fundador da Journee, que se descreve como uma empresa metaversa, trabalhar em casa durante a pandemia do coronavírus nos últimos 18 meses acelerou a demanda por mundos virtuais. 

“Quando se trata de reter talentos em sua empresa ou manter uma cultura corporativa na era remota, você precisa de ferramentas que sejam mais fortes do que apenas e-mail e Zoom”, disse ele à CNBC. 

Lorenz também argumentou que “a internet como a conhecemos tem sido até agora uma troca altamente eficiente de dados e informações”, e que o metaverso será capaz de acessar a comunicação humana sobre “relacionamentos, emoções e experiências”.

Iniciativas atuais com o metaverso

Várias marcas e empresas já estão procurando criar ambientes envolventes onde as pessoas possam trabalhar e se divertir. 

Uma das maneiras pelas quais as empresas estão planejando usar o metaverso é para contratação e gestão de pessoas. 

A Hyundai já está usando o aplicativo de mundo virtual Zepeto para a introdução de novos funcionários.

Em setembro, a Samsung realizou uma feira de recrutamento virtual por meio de uma plataforma chamada Gather.

Recentemente, a Journee criou um metaverso para a Siemens, onde realizou uma conferência virtual. Neste espaço, os funcionários que estavam se conectando pela primeira vez puderam se encontrar em uma praia virtual para assistir a fogos de artifício e tirar selfies em grupo.

O mesmo conceito foi trabalhado em experiências de metaverso para BMW e Adidas

As expectativas dos desenvolvedores é que o metaverso funcione em hardwares existentes, como smartphones e notebooks, sem que seja exigido o uso de óculos e fones de ouvido de realidade virtual para tais experiências.

Alguns limites para o metaverso

Apesar da animação e dos recentes avanços, nem todo mundo está convencido do potencial do metaverso.

Kubi Springer, fundadora da consultoria SheBuildsBrands, disse que há uma barreira geracional que impede a extensão do metaverso para todas as experiências da vida humana.

“Nós simplesmente não temos controle suficiente sobre essa tecnologia”, disse ela à CNBC.

“A tecnologia é incrível. Ela avançou nossas vidas de muitas maneiras diferentes, mas acho que há também muitas coisas que estamos vendo – como a dark web, a realidade aumentada e a inteligência artificial – que mostram que precisamos ter um forte domínio sobre ela, ou ela terá um forte domínio sobre nós ”, completou Springer.

A princípio, a expectativa é que o metaverso seja aplicado para que as empresas façam contratações. Porém, há dúvidas se o ambiente virtual pode realmente substituir com eficácia o mundo real.

“Você não contrata pessoas apenas com base em habilidades e talentos. Você os contrata com base na sensação que tem quando se conecta com um ser humano para descobrir se eles são ou não alguém que pode ser uma ótima opção para a equipe. E como você avalia isso no metaverso?”, concluiu Springer.