Ouro avança com dados ruins de emprego nos EUA

Os preços do ouro subiram nesta sexta-feira (03/12), com o mercado tentando avaliar o impacto potencial de um fraco relatório de empregos dos EUA sobre a política monetária do Federal Reserve (Fed), uma vez que a nova variante do coronavírus continua gerando incerteza na economia.

O ouro já estava se mantendo estável à frente do relatório de empregos e, desde então, aumentou sua reação inicial aos números de emprego mais fracos do que o esperado.

Já o dólar americano, à princípio, enfraqueceu após a divulgação dos dados, antes de se firmar novamente, tornando a commodity metálica mais cara para os detentores de outras moedas.

Com isso, o ouro à vista subiu 0,8% para US$ 1.783,03/onça às 16h30, evitando o que teria sido uma terceira perda semanal consecutiva. Os contratos futuros de ouro dos EUA subiram 1,22%, sendo negociados a $ 1.784,20/onça em Nova York.

Já o dólar se valorizava frente ao real, com a cotação subindo 0,50%, a R$ 5,6750.

Criação de empregos nos EUA

O Bureau of Labor Statistics informou hoje que 210.000 empregos foram criados durante o mês de novembro.

O valor foi bem abaixo das projeções feitas por economistas de mercado, que esperavam a criação de 535.000 empregos.

O número mostrou uma aceleração dos números revisados de outubro, quando foram criadas 546 mil vagas – inicialmente o dado era de 531 mil conforme divulgado em novembro.

A taxa de desemprego caiu para 4,2% da força de trabalho, abaixo dos 4,6% de outubro. Os analistas esperavam uma taxa de 4,5%.

Já o salário médio por hora no mês passado teve uma alta anual de 4,8%, abaixo da projeção de 5% do mercado, mas igual aos 4,8% do mês anterior.

Expectativas de reação do Fed

Os dados fracos de emprego e renda geraram uma incerteza adicional sobre o que esperar da decisão do Fed referente à sua política monetária.

Até o momento, o banco central norte-americano vem gerando estímulos com compras de ativos para promover a queda dos juros e o aumento da liquidez na economia.

Com a inflação persistente, as expectativas dos agentes de mercado eram de que o Fed iria acelerar o ritmo de retirada destes estímulos e, até o meio de 2022, começar a aumentar os juros.

Porém, se a economia mostrar sinais de que ainda não se recuperou da crise da pandemia, o Fed poderá recuar na sua decisão de aperto monetário e manter os estímulos por mais algum tempo.

O ouro é tradicionalmente visto como uma proteção contra o aumento dos níveis de preços, porém, o aumento dos juros é negativo para o metal, que não tem rendimentos.

Diante disso, o salto do ouro no dia de hoje sugeriu que o mercado começa a trabalhar com a suspeita de que o Fed manterá a precaução na próxima reunião do Fomc (Comitê de política monetária dos Fed), que acontece nos dias 14 e 15 de dezembro.