Previsões para o petróleo: Deutsche Bank, JP Morgan e Morgan Stanley

Prever o futuro do petróleo tem sido uma tarefa árdua para os analistas da commodity. As incertezas no cenário geopolítico, econômico e da pandemia tem aumentado a complexidade e a incerteza dos modelos de previsão.

Nos últimos dias, a preocupação entre os negociantes de petróleo com a descoberta de uma nova nova cepa da Covid-19 na África do Sul vem guiando os preços da commodity energética. 

O receio é de que a nova onda de contaminação possa levar à retomada das medidas de restrição do comércio e circulação de pessoas, mesmo com o avanço das vacinas.

Há também de se destacar as movimentações geopolíticas, que têm acirrado a guerra em torno do petróleo.

De um lado, a OPEP+ (Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados) insiste em limitar a oferta de petróleo, com seus planos de aumentar a produção da commodity a um nível aquém das necessidades da demanda global.

De outro lado tem a retaliação dos EUA que tem orquestrado, junto com outros países consumidores, a liberação de petróleo das reservas estratégicas. A tentativa é forçar uma queda nos preços com o aumento da oferta.

Em contrapartida, a OPEP+ tem ameaçado realizar cortes ainda maiores caso os EUA avancem na sua estratégia de liberação das reservas.

Vale destacar que os membros da OPEP+ concordaram nesta quinta-feira (02/12) em manter sua política atual de aumento mensal de 400 mil bpd da produção de petróleo. Porém, as incertezas quanto às próximas reuniões permanecem.

Se não bastasse isso, há também fatores climáticos, estruturais e econômicos que podem influenciar significativamente o jogo de demanda e oferta e, consequentemente, a precificação deste ativo tão importante para mover o mundo.

Esse cenário complicado tem feito com que os analistas das principais instituições financeiras do mundo prevejam rumos radicalmente distintos para o petróleo.

Deutsche Bank

O Deutsche Bank espera que os preços do petróleo Brent caiam consideravelmente no próximo ano. A expectativa é que a cotação caia abaixo de US$ 60 por barril

“Seria um equívoco pensar em uma pausa da Opep na quinta-feira como otimista, já que assumimos isso em nosso modelo e ainda assim terminamos com um superávit no primeiro trimestre”, disseram analistas do Deutsche, citados pela Bloomberg. 

“Seríamos os vendedores de um rali em petróleo bruto depois de uma pausa da Opep”, completaram.

JP Morgan

A maioria dos outros bancos estão prevendo preços mais altos para o petróleo bruto.

Analistas do JP Morgan recentemente estimaram o Brent chegando à US$ 125 por barril em 2022, e subindo ainda mais, para US$ 150 em 2023.

“A OPEP + não está imune aos impactos do subinvestimento. Estimamos que a capacidade ociosa ‘verdadeira’ da OPEP em 2022 será de cerca de 2 milhões de barris por dia (43%) abaixo das estimativas de consenso de 4,8 milhões”, disse em nota a equipe liderada por Christyan Malek.

Os analistas do JP Morgan não parecem esperar um superávit na oferta global de petróleo, mesmo no primeiro trimestre do ano que vem. 

Em vez disso, eles estão observando que a OPEP+ pode precisar adicionar mais algumas parcelas de 400.000 bpd mensais para aproximar o mercado do equilíbrio.

Morgan Stanley

O Morgan Stanley, no início desta semana, reduziu sua previsão do preço do petróleo com o susto causado pelo surgimento da variante ômicron. 

O banco previu anteriormente que o Brent seria negociado a uma média de US$ 95 por barril no primeiro trimestre de 2022, mas agora isso foi revisado para US$ 82,50 por barril.

De acordo com nota dos analistas do banco de investimento, o mercado de petróleo parece estar precificando uma demanda global mais lenta devido à nova variante, além de preocupações continuadas de que o saldo do mercado se tornaria superavitário já no primeiro trimestre de 2022.