Risco Brasil!

Desde o início da pandemia, o que acarretou em uma valorização expressiva do dólar perante o real, ouve-se dizer que a bolsa brasileira está “barata” para os gringos. Se for feita uma avaliação do gráfico do Ibov dolarizado, fica evidente que a bolsa brasileira está realmente bastante descontada.

Considerando o topo formado antes da pandemia e a região de preços em que o índice se encontra agora, existe uma desvalorização de 34%.

Fazendo esta mesma análise com o gráfico do S&P 500, percebemos que o índice americano se encontra quase 34% acima dos preços negociados antes da pandemia.

Mas então porque o S&P 500 continua subindo e o Ibov continua caindo?

É óbvio que todo investidor procura comprar ações quando considera que os preços destas estão baratos, ou seja, que existe um potencial de valorização. Entretanto, sobre as ações das empresas brasileiras, existe um outro fator muito importante. Ou seja, o “risco Brasil”.

Este risco está atrelado ao cenário político/fiscal do país, o que vem se mostrando cada vez mais nebuloso. Durante esta semana isto pôde ser observado, por exemplo, na alta expressiva do dólar, que chegou a se valorizar mais de 5%.

Sexta-feira agitada!

Da mesma forma, nesta sexta-feira foi possível ver como as notícias do governo afetam o mercado. Com a suspeita, ontem, de que o ministro da economia Paulo Guedes poderia pedir demissão, os contratos futuros de índice e dólar iniciaram o dia em uma condição de bastante stress.

O índice futuro, que na quinta-feira já havia trabalhado em forte baixa, abriu as negociações nesta sexta-feira sobre a região de fundo. Ao longo do dia o ativo caiu bastante, chegando a recuar 4,5% e alcançando o primeiro alvo projetado pelo retângulo no qual vinha trabalhando.

O dólar futuro, havia trabalhando na véspera em forte alta, e nesta sexta-feira, deu continuidade ao movimento. Com isso o ativo chegou a superar, inclusive, o alvo de 100% do pivô semanal acionado a duas semanas atrás.

No entanto, durante a tarde o Ministro Paulo Guedes declarou que não tem a intenção de sair do governo. Isto fez com que os ativos rapidamente mudassem de direção. O dólar futuro recuou e acabou fechando o dia com uma queda de 0,30%. Enquanto o índice futuro se recuperou e chegou a trabalhar em terreno positivo, mas ao final do dia cedeu e fechou em -1,52%.

Uma vez que o Brasil apresenta esta condição, o investidor estrangeiro exige um prêmio maior para alocar o seu dinheiro em nosso país. Ou seja, por mais que a bolsa brasileira esteja descontada, não existe muito interesse por parte do investidor extrangeiro. Pelo menos não para investimentos a longo prazo. Prova disso é que a bolsa continua perdendo valor. Certamente, quando a bolsa chegar a um nível de preço que desperte o interesse dos investidores, começará a subir, ou, no mínimo, não cairá mais.