Taxa de desemprego cai mais do que o esperado e derruba Ibovespa

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 12,1% no trimestre encerrado em outubro, de acordo com dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados foram melhores do que as expectativas dos agentes de mercado, que esperavam uma queda da taxa de desemprego para 12,3%.

A população desocupada caiu 10,4% na comparação com o trimestre anterior – de 14,4 milhões de pessoas para 12,9 milhões. 

Na comparação anual, a queda foi de 11,3% – eram 14,6 milhões de desempregados no trimestre encerrado em outubro de 2020.

Apesar da queda do desemprego, o rendimento médio da população ocupada encolheu 11,1% em 12 meses, para R$ 2.449,00, sendo o menor nível desde o início da série histórica, em 2012.

Outro fator negativo foi o recorde no número de trabalhadores por conta própria, o que significa aumento da informalidade.

A taxa de informalidade manteve a trajetória de alta, atingindo 40,7% da população ocupada, ou 38,2 milhões de trabalhadores. No trimestre anterior, a taxa havia sido 40,2% e, no mesmo trimestre de 2020 estava em 38,4%.

Desemprego em baixa pressiona bolsa de valores

Se, de um lado, a melhora dos dados de desemprego é um sinal positivo para a retomada da economia, de outro, isso tem efeito negativo sobre a renda variável.

Isso porque a sinalização de uma recuperação econômica mais rápida do que a esperada gera uma pressão adicional sobre os índices de inflação

Consequentemente, as expectativas de que o Banco Central manterá sua política de aumento dos juros ganham força frente à tese de que uma provável desaceleração arrefeceria a elevação dos preços.

De acordo com o relatório Focus, os economistas de mercado estimam uma Selic de 11,50% em 2021, embora as previsões de juros acima dos 12% estejam no radar de muitos analistas.

Com isso, o Ibovespa operou em queda de 0,83% na primeira parte do pregão de hoje, indo na contramão dos principais mercados mundiais, que sobem nesta terça-feira (28/12).

Queda da Vale

Outro fator que explica a queda do Ibovespa no dia de hoje é o desempenho negativo das ações da Vale (VALE3).

Até às 13h26 as ações da mineradora caíam 2,76%. Entre os motivos estão a queda de mais de 3% dos contratos futuros do minério negociados em Dalian, devido a preocupações com excesso de oferta, já que as usinas retomarão a produção nos próximos meses.

Soma-se a isso o contratempo nas negociações envolvendo a joint venture Samarco – que pertence à Vale e BHP – com credores em conversas para um acordo de recuperação judicial.