Agribrasil tem prejuízo de R$19 mi no 1º tri, apesar de salto na exportação

SÃO PAULO (Reuters) – A Agribrasil informou nesta quarta-feira que teve prejuízo líquido de 19,27 milhões de reais no primeiro trimestre, ante lucro de 4,19 milhões um ano antes, devido a um forte avanço nos custos, que ofuscaram o salto nas exportações de soja e milho.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado ficou negativo em 6,28 milhões de reais, com desempenho positivo de 8,7 milhões um ano antes.

A receita líquida saltou 300% no trimestre para o recorde de 1,14 bilhão de reais, puxada pelo resultado das vendas externas da companhia, responsáveis por 1,088 bilhão da receita total.

“O crescimento é explicado principalmente pela exportação de milho da safra 2020/21 embarcado no início de 2022 e pela concentração de exportação de soja”, disse a Agribrasil.

Mas os custos avançaram ainda mais, saindo de 267,5 milhões de reais nos três primeiros meses de 2021 para 1,2 bilhão no mesmo período deste ano, com maiores despesas logísticas, quebra da safra de soja e execução de negócios passados.

“Apesar do recorde de faturamento, o trimestre também ficou marcado pelo aumento expressivo dos custos logísticos (frete rodoviário e marítimo) e das filas de navios na espera para embarcar, que geraram perdas e impactaram nos resultados.”

Segundo a empresa, o volume total faturado atingiu 595,2 mil toneladas, ante 121,4 mil toneladas um ano antes (+390,1%), em função do aumento de 715,7% nas exportações de milho e soja.

A Agribrasil ainda disse que a perspectiva aponta para uma safra recorde de milho em 2022, principal produto da empresa, o que favorece os embarques dos próximos meses.

“O Brasil deve exportar quase o dobro a mais do que o volume exportado no ano passado. Considerando a guerra entre Ucrânia e Rússia, entendemos que o setor de exportação de grãos no Brasil está sendo beneficiado devido ao aumento de demanda pela procura de diversos importadores de milho, já que a Ucrânia é um dos principais fornecedores do grão no mundo”, disse a empresa.

(Por Nayara Figueiredo)