Indígena é nomeada para Suprema Corte do Canadá em “momento histórico”

OTTAWA (Reuters) – O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, indicou nesta sexta-feira uma pessoa indígena para integrar a Suprema Corte, a primeira para a mais alta corte do país.

Michelle O’Bonsawin, juíza da Corte Superior de Ontário desde 2017 e membro da comunidade Abenaki, ingressará no tribunal em setembro, quando um integrante de longa data irá se aposentar, informou o gabinete do primeiro-ministro em comunicado.

“O’Bonsawin é uma integrante amplamente respeitada da comunidade jurídica do Canadá com uma carreira distinta. Estou confiante de que ela trará conhecimento inestimável para a mais alta corte de nosso país”, tuitou Trudeau após a divulgação da notícia.

O ministro da Justiça, David Lametti, manifestou seu apoio, chamando a medida de “um momento histórico para a (Suprema Corte do Canadá) e para todo o Canadá”, no Twitter.

A decisão ocorre no momento em que o Canadá procura abordar a representação de povos indígenas em suas prisões. Os adultos indígenas representam 5% da população geral do Canadá, mas 30% de sua população encarcerada federalmente.

A Suprema Corte do Canadá tem nove juízes, incluindo um chefe de justiça, e os membros podem atuar até a idade de 75 anos. Um conselho consultivo apartidário recomenda candidatos, mas os juízes são nomeados pelo governo.

(Reportagem de Julie Gordon em Ottawa)