Após 10 anos de queda, euro tenta mostrar força contra o dólar.

As vezes é interessante olhar tempos gráficos maiores para entender como foram realizados certos movimentos. Isso, sem dúvida, pode ajudar também a entender a dinâmica de preços atual, facilitando assim um posicionamento.

Observando o gráfico mensal do euro/dólar, é notado que existe um grande canal de baixa no qual o preço vem trabalhando desde 2008. Ao longo destes anos o euro foi perdendo valor para a moeda americana. Isso mostra, de certa forma, como o mercado financeiro norte-americano se fortaleceu neste período.

Um dos fatores que podem ter motivado esse fortalecimento, pode ter sido o grande desenvolvimento da tecnologia no período. Afinal, hoje as maiores empresas dos Estados Unidos são empresas de tecnologia como, Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google.

No entanto, com a pandemia do coronavírus, o cenário ficou diferente. Mesmo com as empresas de tecnologia ganhando ainda mais força e os índices americanos rompendo máximas, o dólar começou a ceder.

Conforme mostrado no gráfico semanal, após a forte volatilidade causada pela pandemia o euro passou a trabalhar dentro de um canal de alta. A moeda europeia conseguiu até mesmo superar a resistência imposta pelo canal de baixa do gráfico mensal.

Conforme mostrado, após romper o topo formado no início da pandemia, o euro subiu até o alvo de 100% projetado pelo movimento de retração. Depois de alcançar o alvo, o euro recuou até a linha inferior do canal, onde se encontrava também a retração de 38,2% de todo o movimento de alta. Um novo movimento de alta foi realizado, porém a moeda europeia perdeu força e falhou em romper topo.

Na sequência o canal foi perdido e o euro recuou até a retração de 61,8%. Esta retração está servindo de suporte e pode dar impulso para um novo movimento de alta se não for perdida.

Tempos gráficos mais curtos.

No gráfico diário o euro já se mostra em plena tendência de baixa, com as médias móveis de 20 e de 200 períodos apontadas para baixo. Contudo, a retração de 61,8% mostrou força ao segurar o preço e hoje o euro vem rompendo a média de 20.

Caso o ativo consiga se manter acima da média e dê continuidade ao movimento de alta, pode acionar um pivô. Esta movimentação poderia gerar a inversão da tendência. Caso queira entender mais sobre o pivô, sugiro a leitura do artigo “Operando um dos setups mais lucrativos da análise técnica.

Usando um tempo gráfico ainda menor, o de 4 horas, é notado que o euro vem fazendo um forte movimento de alta.

Conforme mostrado, o ativo superou o canal de baixa no qual vinha trabalhando, fez um pullback e na sequência voltou a subir. O alvo para este movimento, seria a média móvel de 200 períodos, que está acima do último topo. Ou seja, se o ativo subir até a média de 200 estará acionando o pivô de alta no gráfico diário.

Avaliando diferentes tempos gráficos, é comum encontrar divergência entre as tendências. Como mostrado nos tempos gráficos longos, a tendência é de baixa, enquanto que nos curtos, se observa movimentação de alta.

Ainda assim, é interessante acompanhar vários tempos gráficos, pois sem dúvida, fica mais fácil entender os movimentos.