Risco Brasil!

Desde o início da pandemia, o que acarretou em uma valorização expressiva do dólar perante o real, ouve-se dizer que a bolsa brasileira está “barata” para os gringos. Se for feita uma avaliação do gráfico do Ibov dolarizado, fica evidente que a bolsa brasileira está realmente bastante descontada.

Considerando o topo formado antes da pandemia e a região de preços em que o índice se encontra agora, existe uma desvalorização de 34%.

Fazendo esta mesma análise com o gráfico do S&P 500, percebemos que o índice americano se encontra quase 34% acima dos preços negociados antes da pandemia.

Mas então porque o S&P 500 continua subindo e o Ibov continua caindo?

É óbvio que todo investidor procura comprar ações quando considera que os preços destas estão baratos, ou seja, que existe um potencial de valorização. Entretanto, sobre as ações das empresas brasileiras, existe um outro fator muito importante. Ou seja, o “risco Brasil”.

Este risco está atrelado ao cenário político/fiscal do país, o que vem se mostrando cada vez mais nebuloso. Durante esta semana isto pôde ser observado, por exemplo, na alta expressiva do dólar, que chegou a se valorizar mais de 5%.

Sexta-feira agitada!

Da mesma forma, nesta sexta-feira foi possível ver como as notícias do governo afetam o mercado. Com a suspeita, ontem, de que o ministro da economia Paulo Guedes poderia pedir demissão, os contratos futuros de índice e dólar iniciaram o dia em uma condição de bastante stress.

O índice futuro, que na quinta-feira já havia trabalhado em forte baixa, abriu as negociações nesta sexta-feira sobre a região de fundo. Ao longo do dia o ativo caiu bastante, chegando a recuar 4,5% e alcançando o primeiro alvo projetado pelo retângulo no qual vinha trabalhando.

O dólar futuro, havia trabalhando na véspera em forte alta, e nesta sexta-feira, deu continuidade ao movimento. Com isso o ativo chegou a superar, inclusive, o alvo de 100% do pivô semanal acionado a duas semanas atrás.

No entanto, durante a tarde o Ministro Paulo Guedes declarou que não tem a intenção de sair do governo. Isto fez com que os ativos rapidamente mudassem de direção. O dólar futuro recuou e acabou fechando o dia com uma queda de 0,30%. Enquanto o índice futuro se recuperou e chegou a trabalhar em terreno positivo, mas ao final do dia cedeu e fechou em -1,52%.

Uma vez que o Brasil apresenta esta condição, o investidor estrangeiro exige um prêmio maior para alocar o seu dinheiro em nosso país. Ou seja, por mais que a bolsa brasileira esteja descontada, não existe muito interesse por parte do investidor extrangeiro. Pelo menos não para investimentos a longo prazo. Prova disso é que a bolsa continua perdendo valor. Certamente, quando a bolsa chegar a um nível de preço que desperte o interesse dos investidores, começará a subir, ou, no mínimo, não cairá mais.

Wall St vira para baixo após falas de Powell sobre corte de estímulos

O Dow e o S&P 500 bateram recordes no início da sessão, com ganhos da American Express, antes de Powell dizer que o banco central dos EUA está “no caminho certo” para começar a reduzir suas compras de ativos.

“Toda vez que ele (Powell) falou sobre a redução gradual de estímulos até agora, os mercados não ficaram incomodados com isso, mas agora, em níveis recordes, investidores tendem a ser um pouco mais sensíveis a essas notícias”, disse Randy Frederick, diretor administrativo de negociação e derivativos para a Charles Schwab em Austin, Texas.

O índice de referência S&P 500 ainda está a caminho de sua terceira semana consecutiva de ganhos, em alta de cerca de 1,4% no período.

Sete dos 11 principais índices setoriais do S&P 500 ainda estavam em alta no início da tarde, enquanto o setor de serviços de comunicação caía mais de 2% ao ser atingido por uma queda nos gigantes da mídia social.

Facebook Inc cedia 5,7%, e Twitter Inc perdia 4,4%, depois de o Snap Inc dizer que mudanças de privacidade da Apple Inc em dispositivos iOS prejudicaram a capacidade da empresa de direcionar e medir sua publicidade digital. As ações do Snap despencavam 25,3%.

Às 13:38 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,1%, a 35.638 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,369029%, a 4.533 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,87%, a 15.083 pontos.

Nasdaq abre em queda após alerta da Intel; Dow e S&P tocam máximas recordes

Às 10:45 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,37%, a 35.736 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,169679%, a 4.542 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,38%, a 15.158 pontos.

Os índices Dow Jones e S&P 500 tocaram máximas recordes intradiárias pouco depois da abertura.

(Por Devik Jain)

Pessimismo cresce e Ibovespa tem novas mínimas do ano

Às 10:36, o Ibovespa tinha baixa de 1,6%, aos 106.004,17 pontos, buscando novas mínimas intradia desde novembro de 2020. Na véspera, após ter caído 2,75%, o Ibovespa já acumulou perda de 6% na semana e teve o menor fechamento em 11 meses.

Com o pedido de demissão do secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, após a aprovação da regra de alteração do teto dos gastos para viabilizar o pagamento do Auxílio Brasil até o fim de 2022, os agentes começavam a especular sobre a saída de Guedes.

Segundo o G1, o presidente Jair Bolsonaro autorizou sondagem de um nome para substituir Guedes, mesmo após ter reafirmado na véspera que manterá o atual ministro no cargo.

Simultaneamente, várias casas de análise pioravam suas perspectivas para crescimento econômico, inflação, juros e dívida pública para 2020, incluindo Morgan Stanley, Credit Suisse e UBS.

Com isso, a influência positiva dos mercados internacionais ficava em segundo plano. Na China, a incorporadora Evergrande pagou um cupom de 83,5 milhões de dólares de um título, evitando novo calote.

Nos Estados Unidos, após o índice S&P 500 ter fechado em nova máxima histórica na véspera, o Dow Jones testava nova pontuação máxima nesta manhã.

Esta sexta-feira marca a abertura da temporada de divulgação de balanços trimestrais na bolsa brasileira, com a farmacêutica Hypera divulgando seus números após o fechamento. Braskem também deve divulgar seus números prévios do terceiro trimestre.

 

(Por Aluísio Alves)

Alívio sobre Evergrande e balanços impulsionam ações europeias

Por Anisha Sircar

O STOXX 600 tinha alta seguindo pares asiáticos, após notícia de que a incorporadora chinesa havia feito um pagamento de título para evitar um calote.

Entre os setores europeus, bens pessoais e domésticos e tecnologia aumentavam 1,6% e 1,3%, respectivamente, na lista dos maiores ganhos.

O índice francês de blue-chips CAC 40 superava seus pares europeus, com uma alta de 6,5% nas ações da L’Oreal após fortes resultados da empresa de cosméticos.

As ações da fabricante holandesa de equipamentos de semicondutores ASML e da empresa de software alemã SAP ganhavam cerca de 2% cada, após tropeçarem no início desta semana após seus resultados.

O índice pan-europeu STOXX 600 tinha alta de 0,63%, a 472,65 pontos.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançava 0,49%, a 7.225,45 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subia 0,72%, a 15.583,55 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhava 1,02%, a 6.754,44 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha valorização de 0,40%, a 26.629,94 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava baixa de 0,19%, a 8.927,50 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizava-se 0,58%, a 5.763,91 pontos.

Ações de tecnologia na Ásia sobem; setor imobiliário chinês avança com pagamento da Evergrande

Por Kevin Buckland

Enquanto isso, ações de energia patinaram após uma queda nos preços do petróleo, e os futuros do carvão aceleraram as perdas depois de Pequim sinalizar que iria intervir para esfriar os preços, cujo aumento contribuiu para escassez de eletricidade no país.

De forma mais ampla, investidores estão cada vez mais preocupados com o risco de que a inflação persistente possa forçar bancos centrais a apertar a política monetária em um momento em que o crescimento econômico global permanece frágil.

O China Evergrande Group transferiu fundos para uma conta fiduciária na quinta-feira para o pagamento de juros de títulos em dólares com vencimento em 23 de setembro, disse uma fonte à Reuters nesta sexta-feira, dias antes de um prazo final para pagamento cujo não cumprimento teria mergulhado a empresa em apuros de um calote formal.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei subiu 0,34%, a 28.804,85 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,42%, a 26.126,93 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,34%, a 3.582,60 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,64%, a 4.959,73 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,04%, a 3.006,16 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,00%, a 16.888,74 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,52%, a 3.205,14 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,00%, a 7.415,50 pontos.

Ações europeias devolvem boa parte das perdas e fecham perto de máximas em seis semanas

Por Anisha Sircar e Susan Mathew

O sentimento também foi moderado por preocupações renovadas sobre o setor imobiliário da China, após colapso de uma venda de ativos de 2,6 bilhões de dólares da endividada incorporadora China Evergrande.

Depois de chegar a cair até 0,6%, o índice pan-europeu STOXX 600 fechou em queda de 0,1%, a 469,71 pontos.

As mineradoras europeias, que têm grande exposição à China, caíram 3%. As ações da Anglo American listadas no Reino Unido perderam 2,7%, embora a companhia tenha reportado um aumento de 2% na produção geral no terceiro trimestre.

“As ações de mineração não conseguiram superar as preocupações dos investidores provocadas por mais uma reviravolta na saga da Evergrande”, disse Danni Hewson, analista financeira da AJ Bell.

Dados divulgados nesta quarta-feira mostraram que a confiança do consumidor da zona do euro caiu 0,8 ponto em outubro em relação setembro.

A empresa de tecnologia mais valiosa da Europa, a SAP, caiu 3,2% e foi a maior colaboração para a queda do STOXX 600, apesar de resultados positivos do terceiro trimestre, uma vez que os operadores não ficaram impressionados com as perspectivas da empresa, especialmente sua previsão de licenciamento.

Setores defensivos, como de bens pessoais e domésticos, subiram 0,8% devido aos resultados do terceiro trimestre melhores do que o esperado da Unilever.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,45%, a 7.190,30 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,32%, a 15.472,56 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,29%, a 6.686,17 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,21%, a 26.525,15 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,82%, a 8.944,30 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,54%, a 5.730,84 pontos.

Furo do teto piora previsões para 2022 e Ibovespa beira mínimas do ano

Por Aluisio Alves

Às 12:21, o Ibovespa tinha desvalorização de 2,2%, aos 108.347 pontos. O giro financeiro da sessão era de 12 bilhões de reais.

A confirmação do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o governo pretende se valer de um “waiver” para usar cerca de 30 bilhões de reais fora do teto constitucional de gastos para financiar o programa Auxílio Brasil, deteriorava as previsões já desanimadoras para a economia em 2022, já fragilizada pela combinação de inflação e juros em alta.

“A elevação do risco fiscal como resultado dessas incertezas tem levado as apostas de um ajuste mais duro na próxima reunião do Copom”, afirmou a XP em nota a clientes.

O JPMorgan passou a prever alta 1,25 ponto percentual da Selic na próxima reunião do comitê de política monetária do Banco Central, com a taxa básica de juro chegando a 9,75% ao ano em fevereiro.

Esse quadro, que já vinha prevalecendo sobre os negócios na semana, mesmo com o quadro externo positivo, desta vez era agravado por um ambiente global menos favorável, além de outros elementos locais que pressionavam as ações.

Um eles era a notícia de que um movimento de tanqueiros está impedindo a entrada de caminhões nas bases de abastecimento de combustíveis em Campos Elíseos, no Rio de Janeiro, elevando temores de que problemas no setor causem desabastecimento e alta de preços.

 

DESTAQUES

– PETROBRAS caía 2%. A companhia divulgou resultados operacionais considerados positivos por analistas. O BTG Pactual afirmou que “outro ciclo de fortes resultados financeiros está a caminho”, mas que isso deve ser eclipsado pelo ruído em torno da política de preços dos combustíveis.

– VIBRA caía 3,8%, ULTRAPAR tinha baixa de 4,5% e RAÍZEN recuava 2,7%, em meio a temores sobre desdobramentos de uma paralisação de caminhoneiros.

– VALE cedia 3,6%, com os preços de metais ferrosos na China despencando devido à queda nos preços do carvão e estagnação do consumo de aço. USIMINAS tombava 4,6%, CSN perdia 3,25%.

– BANCO DO BRASIL encolhia 3,1%, BRADESCO era depreciada em 0,5% e ITAÚ UNIBANCO tinha recuo 0,6%, com os grandes bancos nacionais devolvendo ganhos da véspera.

Investidor rejeita pedido do governo de licença para gastar e Ibovespa cai

Às 10:24, o Ibovespa mostrava desvalorização de 1,41%, aos 109.223 pontos.

Em discurso na véspera, Guedes disse que turbinar o programa Auxílio Brasil como quer o governo exigirá licença para gastar cerca de 30 bilhões de reais fora da regra constitucional.

“Os investidores não gostaram do que ouviram”, afirmou o economista-chefe do modalmais, Alvaro Bandeira.

Os ânimos eram agravados nesta sessão por uma série de agravantes domésticos e internacionais. Por aqui, um movimento de tanqueiros impedia a entrada de caminhões nas bases de abastecimento de combustíveis em Campos Elíseos (RJ), e as unidades fecharam as portas para evitar tumulto.

Isso pesava com mais força sobre ações de empresas de postos de combustíveis, casos de Vibra, Ultrapar e Raízen, mas tinha repercussão mais ampla, dado o receio de escassez do produto em meio a ameaças de paralisação mais generalizada em 1º de novembro.

No exterior, as principais bolsas de valores tinham quedas, com balanços corporativos menos animadores, como da Tesla, e a volta de temores de crise de liquidez no setor imobiliário chinês, após o governo local ter barrado um acordo da Evergrande que ajudaria a empresa a evitar um calote.

 

(Por Aluísio Alves)