Mercados reagem à economia chinesa e produção industrial dos EUA

Entre julho e setembro, a economia do país asiático cresceu 4,9% em relação aos três meses anteriores. Analistas consultados pela agência AFP projetavam um crescimento de 5%.

Esse resultado mostra desaceleração uma vez que o PIB chinês avançou 7,9% no trimestre anterior.

As principais causas para este resultado frustrante são as crises imobiliária, ampliada pelo colapso da Evergrande, e a escassez de energia, derivada de gargalos na rede de fornecimento global.

Além disso, a produção industrial e a formação bruta de capital fixo também não cumpriram as expectativas, enquanto as vendas no varejo aumentaram modestamente.

Por fim, vale destacar também as regulamentações de poluição, que forçaram um fechamento mais amplo da indústria intensiva em energia.

A produção industrial chinesa desacelerou a 3,1% na comparação anual até setembro. Para o mesmo mês, as vendas no varejo cresceram 4,4%, contra 2,5% em agosto, enquanto que o desemprego urbano avançou para 4,9%.

Produção Industrial dos EUA

A produção industrial norte-americana caiu 1,3% em setembro na comparação com agosto do mesmo ano. O dado veio bem abaixo das expectativas, que previam crescimento de 0,2% no mês.

A queda do mês foi bem maior do que o resultado negativo revisto para agosto, quando ouve queda de 0,1%.

Em setembro, a produção de veículos motorizados e peças caiu 7,2%, à medida que a escassez de semicondutores continuou a prejudicar as operações. 

A produção de eletrodomésticos caiu 3,6%, principalmente porque a demanda por refrigeração diminuiu após um agosto mais quente do que o normal. 

Já a produção da indústria de siderurgia caiu 2,3%.

A queda acima da previsão se deve aos efeitos persistentes do furacão Ida. No geral, cerca de 0,6 ponto percentual da queda na produção industrial total resultou do impacto do furacão.

Com essa queda em setembro, a produção industrial total aumentou 4,3% em termos anuais, menos do que a taxa esperada pelo mercado, de 5,95%.

Reações dos principais índices

Com a desaceleração chinesa e queda da produção industrial dos EUA, os mercados começaram a semana desanimados.

Os principais índices mundiais recuavam até o início desta manhã.

Nos Estados Unidos, os futuros da Nasdaq 100 caíam 0,30%, enquanto os da Dow Jones e da S&P 500 recuavam 0,37% e 0,34%, respectivamente. 

No Brasil, o Ibovespa recuava 1,05% na sua abertura, enquanto o dólar (USD/BRL) avançava 1,04%, cotado a 5,51.

O iShares MSCI Brazil ETF (NYSE:EWZ), principal ETF brasileiro negociado no exterior, caía 2,10% no pré-mercado americano.

Wall St se recupera de perdas recentes com foco no Fed

Por Ambar Warrick

A principal unidade da Evergrande disse que havia negociado um acordo com os detentores de títulos para acertar o pagamento de juros de um título doméstico, o que ajudou a aliviar temores de um calote iminente que poderia provocar caos financeiro global.

As ações de energia tinham o melhor desempenho, com alta de 2,8%, acompanhando os ganhos nos preços do petróleo, enquanto o setor financeiro subia 1,3%, com os principais bancos acompanhando os ganhos nos rendimentos dos Treasuries.

Ainda assim, os índices de Wall Street buscam recuperar as fortes perdas em setembro, uma vez que os temores sobre um default da Evergrande exacerbaram as tendências sazonalmente fracas e levavam investidores a saírem de ações negociadas com valores altos.

O foco agora se volta para a decisão do Fed, a ser anunciada às 15h (horário de Brasília), em que o banco pode apresentar planos para começar a reduzir suas medidas de estímulo relacionadas ao coronavírus.

Às 11:29 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 1,06%, a 34.280 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,75%, a 4.387 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,56%, a 14.829 pontos.

Setores de energia e financeiro ajudam Wall St a subir

Por Ambar Warrick e Devik Jain

Mas os ganhos no Nasdaq eram limitados pelas principais ações de tecnologia, com investidores voltando-se para setores que mais devem se beneficiar da retomada econômica neste ano.

Ainda assim, a Apple Inc dava o maior impulso ao índice, com ganho de 0,6%, depois de uma decisão em tribunal no caso de antrituste da Epic Games contra a fabricante do iPhone ter levado a uma perda de quase 90 bilhões de dólares em seu valor de mercado na sexta-feira.

O setor de energia do S&P era o que tinha o melhor desempenho, com alta de 3,3%, uma vez que os preços do petróleo bateram máxima em uma semana diante de preocupações com a oferta nos Estados Unidos. As ações de empresas financeiras ganhavam 1%.

Na semana passada, os índices de Wall Street perderam entre 1,6% a 2,2%, depois que o aumento nos preços ao produtor em agosto e a queda nos pedidos de auxílio-desemprego provocaram temores de que o Federal Reserve pode começar a reduzir o estímulo já neste ano.

Os dados de preços ao consumidor de agosto, a serem divulgados na terça-feira, também devem ser uma pista importante para a decisão do Federal Reserve sobre aperto da política monetária.

Também no radar está o plano do governo norte-americano de aumento de imposto corporativo, o que pode resultar em uma elevação da alíquota para 26,5%, de 21%.

Às 11:27 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,65%, a 34.834 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,084107%, a 4.462 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,53%, a 15.035 pontos.

BOLSA EUA-S&P 500 bate máxima recorde com Powell “prudente” evitando mudança na política monetária

Por Devik Jain e Ambar Warrick

Em comentários preparados para um discurso na conferência econômica de Jackson Hole, Powell disse que as discussões sobre exatamente quando começar a reduzir o programa de compra de títulos de 120 bilhões de dólares mensais continuam em aberto e devem ser ponderadas à luz dos riscos econômicos e à saúde representados pela altamente contagiosa variante Delta do coronavírus.

“Mesmo que muitos dos outros presidentes do Fed tenham se manifestado e dito ‘vamos fazer isso o quanto antes’, o prudente Powell vai se certificar de que a economia realmente está curada”, disse Kim Forrest, diretora de investimentos da Bokeh Capital Partners, em Pittsburgh.

“Você não quer deixar as pessoas enjoadas quando está dirigindo uma economia.”

Todos os 11 principais índices setoriais do S&P subiam, com energia, materiais básicos e serviços de comunicação em alta de 1% cada.

As ações dos EUA haviam caído e se afastado de máximas de todos os tempos na quinta-feira, devido a preocupações com os acontecimentos no Afeganistão e a sinais “hawkish” (menos amigáveis a estímulos) de autoridades do Fed.

Os três principais índices caminhavam para ganhos semanais, com o Nasdaq, com forte peso de ações de empresas de tecnologia, tentando superar o S&P 500 e o índice de blue chips Dow Jones.

Às 11:52 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,66%, a 35.446 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,651902%, a 4.499 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,78%, a 15.063 pontos.

(Por Devik Jain e Ambar Warrick)

Wall Street Tem Leve alta; Ações “Meme” Ampliam Rali

Por Ambar Warrick e Shashank Nayar

As compras por investidores de varejo das chamadas “ações meme” continuaram, com o novo favorito, Clover Health, com alta de 13,8%, atingindo um recorde.

A GameStop – empresa mais associada ao rali do varejo este ano – caía 1,3% antes de seus resultados trimestrais, após o fechamento.

As ações de grandes bancos, incluindo Goldman Sachs, Citigroup e Morgan Stanley caíam entre 0,2% e 0,9%, com os rendimentos dos Treasuries atingindo uma mínima de mais de um mês.

Pequenos ganhos em ações de gigantes de tecnologia, particularmente o grupo FAANG, davam ao Nasdaq um leve impulso.

Mas os índices em Wall Street se movimentavam pouco essa semana, em meio à escassez de catalisadores e com a maioria dos investidores afastados antes dos dados de inflação desta quinta-feira.

A reunião do Fed na próxima semana também deve lançar luz sobre os planos de redução do estímulo pelo banco. Embora a inflação tenha aumentado nos últimos meses, espera-se que um mercado de trabalho desaquecido mantenha o tom “dovish” do banco.

Às 11:53 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,09%, a 34.630 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,106925%, a 4.232 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,22%, a 13.956 pontos.

(Por Shashank Nayar e Shashank Nayar)

Apple e Tesla Impulsionam Nasdaq; Inflação Segue em Foco

Por Ambar Warrick e Shashank Nayar

As ações da fabricante do iPhone saltavam 1,9% depois que fontes disseram à Reuters que a empresa está em negociações iniciais com as chinesas CATL e BYD sobre o fornecimento de baterias para seu planejado veículo elétrico.

A Tesla também estava entre os principais impulsos para o Nasdaq, depois que as vendas de seus veículos elétricos fabricados na China aumentaram 29% em maio em relação ao mês anterior, segundo dados.

As gigantes da tecnologia registravam alta, com Alphabet, Amazon e Netflix subindo entre 0,4% e 1,2%.

Ainda assim, Wall Street parece ter caído numa calmaria esta semana, tendo mudado pouco na segunda-feira depois de atingir máximas recordes no mês passado em meio a uma temporada de balanços fortes.

Os investidores estão agora à espera de mais pistas sobre um possível aperto monetário pelo Federal Reserve. Na quinta-feira, serão divulgados dados sobre a inflação norte-americana, com a expectativa de uma leitura forte.

Às 11:31 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,19%, a 34.563 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,043771%, a 4.225 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,35%, a 13.930 pontos.