Bitcoin atropela antigo valor recorde e mira os US$ 67 mil

O começo com “pé direito” de uma promissora caminhada

Como a cereja do bolo dos recentes impulsos recebidos pelo Bitcoin (BTC) pós debandada chinesa, a estreia dos fundos de investimentos em futuros de BTC da ProShare na bolsa de Nova Iorque (NYSE) foi o impulso que faltava para que a criptomoeda quebrasse novamente seu próprio recorde.

Já nas primeiras horas de seu primeiro dia (19), os candles já apontavam o flerte com a quebra de recorde, ao considerar o estabelecimento do ativo na casa dos US$ 64 mil, com meio bilhão de dólares sendo movimentados por meio do “BITO” (identificação dada pela NYSE à ETF) ainda no meio da tarde.

Os números oficiais de encerramento apontaram que mais de 24,4 milhões de ações do fundo foram negociadas na bolsa intercontinental, movimentando pouco mais de US$ 1 bilhão. Com o estrondoso sucesso, o BITO, que foi aberto em US$ 40,88 a ação e fechou com mais de 4% de lucro (US$ 43,8).

Nova quebra de recorde pode ser só o começo

Nesse fechamento, o valor oficial de negociação do Bitcoin era de US$ 64.434, menos de 1% abaixo da tão aguardada queda, patamar em que se manteve até às 14h30 (horário de Brasília) dessa quarta (20). A partir daí a história começou a ser reescrita, com um forte movimento comprador agindo em cerca de 10 minutos para levar o preço à US$ 65,621 e, uma hora depois, aos US$ 66.910,98.

O mercado de criptoativos no geral se aproveitou da primeira criptomoeda indo à público (e fazendo tanto sucesso). Depois de 5 meses, o Ether (ETH) voltou ao patamar de US$ 4 mil e flerta com o seu próprio topo histórico de US$ 4.385, enquanto praticamente todas as principais altcoins do mercado acompanharam o movimento ao operarem em alta durante o dia.

Como era de se esperar, o Bitcoin abre alas para um movimento que deve ser só o início das “aventuras” das criptomoedas em ETFs e demais modelos de negociação mais estabelecidos e tradicionais.

Pouco a pouco, outras possibilidades similares (como a própria negociação imediata de BTC, ao invés dos futuros) vão entrando em pauta e aproximando cada vez mais os criptoativos da realidade econômica mundial.

Primeiro dia do Bitcoin na bolsa de Nova Iorque traz alta acima dos 4%

Enfim, NYSE

Depois de muito tempo de muitas tentativas e certo tempo de espera, temos um fundo negociado em bolsa que se baseia no Bitcoin (BTC) e conta com o aval da SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, após a ProShares oferecer o ETF em futuros de BTC.

A aprovação, aliás, só veio por conta dessa condição, uma vez que as propostas de adição dos Bitcoins em meio aos contratos de transações à vista já haviam sido barradas algumas vezes.

Ao trabalhar com contratos que serão ativos em caso de preço previamente acordado, o presidente da SEC, Gary Gensler disse que a nova proposta “oferece ao investidor uma segurança significante”, apesar de “ainda contar com certo nível de especulação e volatilidade, o que ainda exige cuidado e compreensão dos investidores. ”

Nos contratos futuros, o investidor concorda na compra ou venda do recurso à datas e valores especificados, não operando diretamente/automaticamente com o ativo. Quando o prazo chega, o contrato é ativo e a ação é realizada, não importando o preço real do, no caso, Bitcoin. Se o BTC está valendo mais do que o preço estipulado no futuro, o lucro é realizado, enquanto o contrário representa perdas ao investidor.

A onda de otimismo e novidades referentes às criptomoedas nos Estados Unidos, que abriu mais uma vez a oportunidade para a oficialização do fundo, surgiu a partir dos debates referentes aos planos de fiscalização do uso dos ativos como forma de pagamentos em atos de cyber-terrorismo.

Pouco a pouco, as conversas foram evoluindo para regulamentações em outros aspectos, como junto às stablecoins do dólar americano e, agora, fundos e demais aspectos que envolvam investimentos.

Estreia com o pé direito

Logo após a listagem do fundo pelo começo da manhã, sob a sigla BITO ETF, o Bitcoin já passava dos US$ 63,3 mil, com a parte do ETF sendo negociada à US$ 40.95 neste mesmo período. Somente pelo período da manhã, o fundo movimentou cerca de US$ 500 milhões. O volume foi movimentado, em sua maioria, por investidores menores em 4 blocos, cada um com mais de 10 mil ações.

Próximo das 16h (horário de Brasília), a ação do fundo já valia US$ 41,64, indicando mais de 4% de valorização. Como era de se esperar, o Bitcoin acompanhou a movimentação ao subir em proporção similar, também acima dos 4%, para romper por pouco a barreira dos US$ 64 mil dólares. Seu valor recorde, estabelecido no dia 14 de abril, foi de US$ 64,899.

Por hora, devemos seguir observando percentuais bem similares em ambas as partes, considerando o impacto que a estreia (e o bom resultado inicial) exerceram no próprio fundo e no ativo. Contudo, apesar da conexão intrínseca, a movimentação não deve ser sempre espelhada, haja vista que a ação do fundo se baseia em estimativas de preço futuro do Bitcoin para compra e venda futura, não na atual movimentação do ativo.

Esse aspecto pode afastar alguns perfis de investidores por hora de operarem junto à NYSE, mas vale ressaltar que este é apenas o primeiro passo dos criptoativos nas bolsas mais tradicionais.

Caso o cenário permaneça seguro, bem estabelecido e popular como começou, tudo indica que em breve as negociações diretas envolvendo Bitcoins estarão à vista. E independente disso tudo, o que mais importa – além do lucro – é o poderoso passo dos criptoativos rumo à participação ativa na economia mundial.