Queda do petróleo foi exagerada, segundo analista do Goldman Sachs

Para o estrategista do banco Goldman Sachs, Damien Courvalin, a recente queda dos preços do petróleo foi muito maior do que deveria quando se leva em conta os efeitos potenciais da nova variante do coronavírus, a ômicron.

Desde a sexta-feira da semana passada (24/11) o Brent e o WTI caíram cerca de 13%, devido às preocupações de que a nova variante prejudique a demanda global.

Esse movimento foi considerado exagerado, conforme cálculos feitos por Courvalin.

“A falta de atividade de compra discricionária em face de uma nova variante COVID incerta, portanto, deixou os preços em queda livre e precificação em uma perspectiva de demanda terrível. Estimamos com base em nosso modelo de precificação, que o mercado agora precificou uma queda na demanda de 0,7 mb/d [milhões de barris por dia] nos próximos três meses, sem nenhuma resposta compensatória da OPEP+”. 

Queda foi incoerente com a realidade

Para Courvalin, a precificação do petróleo pelo mercado em geral é compatível com três cenários radicalmente incoerentes com qualquer estimativa sobre possíveis efeitos do novo evento sobre a demanda futura.

“Para colocar em contexto, isso representaria qualquer um destes resultados extremos: (1) nenhum avião voando ao redor do mundo por três meses, ou (2) metade da intensidade do bloqueio global do 2T20, ou (3) um mundo ainda pior do que antes das vacinações.”

Apesar de contra intuitivo, Courvalin entende que o motivo da queda está relacionado ao conjunto de incertezas que permeiam o ambiente econômico internacional.

“Vemos o movimento de queda nos preços como excessivo, mas compreensível no contexto de baixa liquidez de fim de ano e apetite pelo risco. Dadas as grandes incertezas neste momento, aguardamos mais notícias sobre o desenvolvimento da variante e restrições adicionais impostas antes de renovar nossa oferta e balanços de demanda e previsões do preço do petróleo, embora mais uma vez reiteramos nossa visão de que o mercado ultrapassou em muito o provável impacto da última variante sobre a demanda de petróleo com a reprecificação estrutural mais alta devido à mudança dramática na função de reação da oferta de petróleo ainda à nossa frente”.

Cotações

As ações das principais petrolíferas Exxon Mobil e BP caíram 7,2% e 9,8%, respectivamente, nas últimas cinco sessões. 

Já a Petrobras foi na contramão, subindo cerca de 9% desde o dia 24/11, com eventos internos direcionando as expectativas dos investidores.

Até às 12h de hoje (01/12), o Brent segue em alta de 1,38%, cotado a US$ 71,807 o barril, enquanto o WTI subia 1,51%, ao preço de US$ 68,403.

Ficará o petróleo inútil no futuro?

Vários analistas e pesquisadores têm trabalhado com a hipótese de que os combustíveis fósseis se tornarão inúteis nas próximas décadas para a construção de cenários. 

Com isso, as questões mais levantadas são: será que é realmente possível? Se sim, o que isso significaria para a economia global? 

Uma nova pesquisa, publicada na revista Nature Energy, sugere que se a transição para a energia verde prosseguir no ritmo projetado pela COP26, teríamos que até metade dos ativos de combustíveis fósseis do mundo podem se tornar inúteis até 2036.

Se esses ativos perderem todo o valor, poderemos enfrentar um crash tão grande quanto a crise financeira de 2008.

No entanto, esse efeito seria compensado pelos usuários de infraestrutura e tecnologia renováveis, que ​​poderiam lucrar com a nova economia, apoiando a criação de novas oportunidades de emprego e construindo uma nova indústria de energia.

Mensurando as perdas 

Na atual taxa de produção projetada, entre US$ 11 e US $14 trilhões podem ser perdidos em ativos retidos. 

Poderíamos estar presenciando uma experiência semelhante à da queda da demanda por petróleo em abril de 2020, durante a pandemia de Covid-19, quando os preços da commodity despencaram para números negativos. 

A exceção, neste caso, fica por conta do fato de que a demanda não aumentará novamente. Isso significa que as empresas de petróleo e as economias que dependem do setor passarão por dificuldades econômicas significativas. 

Para que a transição tecnológica seja feita sem grandes percalços, os governos precisam planejar a produção do setor, garantindo que as operações de energia de combustíveis fósseis atendam às necessidades de energia durante a transição, mas que o fornecimento não supere a eventual redução da demanda internacional.

Esta previsão segue uma queda nos preços das ações de várias grandes empresas do setor nos últimos cinco anos, incluindo Exxon Mobil, BP e Royal Dutch Shell

No início deste ano, após um período de restrições à pandemia, a ExxonMobil anunciou uma perda de mais de US$ 20 bilhões no último trimestre de 2020. 

A história é semelhante para muitas empresas de petróleo em todo o mundo. Aquelas que sobreviveram à falência durante a pandemia tiveram que lutar para voltar a ficar de pé.  

Avanço das energias renováveis é tendência mundial

No início deste ano, um relatório do think-tank Carbon Tracker afirmou que as ações de combustíveis fósseis e empresas relacionadas perderam US $ 123 bilhões ao longo da última década.

O relatório assinado por Henrik Jeppesen, mostrou que o valor das ofertas de ações em empresas de combustíveis fósseis caiu quase 20% desde 2012, enquanto que as empresas de baixo carbono ganharam terreno na mudança para a energia limpa.

Isso foi observado tanto nos países desenvolvidos quanto nas economias emergentes, sugerindo que se trata de um fenômeno global.   

Henrik Jeppesen ainda afirmou que “o risco climático é real e não pode ser ignorado. Os estoques de energia limpa estão substituindo rapidamente a velha ordem na medida em que os investimentos priorizam o mundo em transação”. 

A mesma previsão é compartilhada pelo Morgan Stanley. Para o banco norte-americano, a indústria do carvão pode desaparecer já em 2033, com estados desenvolvidos como o Reino Unido se comprometendo a encerrar toda a produção de carvão nos próximos cinco anos. Uma vez que o carvão acabar, é apenas uma questão de tempo até que o petróleo e o gás natural surjam como próximas vítimas.

Adaptação

Apesar do cenário nebuloso pela frente, é possível esperar que haja uma luz no fim do túnel para as empresas de combustíveis fósseis.

Não devemos ignorar o fato de que muitas delas têm se concentrado na expansão do portfólio à medida que o investimento em energia renovável se tornou uma obrigação para as empresas de energia.

Isso significa que muitas grandes empresas petrolíferas internacionais continuarão com projetos de energia em larga escala graças à sua experiência e capacidade de investimento. 

Várias delas já investiram significativamente na tecnologia de captura e armazenamento de carbono como um meio de tornar sua produção de petróleo menos intensiva em carbono. Há também investimentos em projetos renováveis, como hidrogênio, vento, energia solar e geotérmica. 

Portanto, é improvável que as grandes petrolíferas se tornem inúteis e desapareçam. No entanto, governos e empresas em todo o mundo devem considerar a taxa na qual essa transição ocorrerá para evitar uma reserva inútil de petróleo, que provavelmente se acumulará à medida que a demanda diminui gradualmente. Isso sim poderia levar a uma crise financeira global.